23:14 18 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Manifestantes atearam fogo a um homem durante um protesto contra Nicolás Maduro na Venezuela

    Especialista: as próprias autoridades da Venezuela dão motivos para pressão aos EUA

    © REUTERS/ Marco Bello
    Américas
    URL curta
    27137077

    O Parlamento Europeu não reconhece as eleições na Venezuela. As repressões no país atingiram um nível sem precedentes, disse o presidente do parlamento Antonio Tajani.

    O político da União Europeia considera que o povo da Venezuela quer mudar o poder político que agora dirige o país e que a comunidade internacional não se pode calar frente a tal quantidade de mortos nesse país sul-americano.

    Além disso, as eleições no país também não foram reconhecidas pelos EUA, Espanha e uma série de países sul-americanos – o México, a Argentina, a Colômbia e o Peru.

    Lembramos que, no domingo (30), na Venezuela foram realizadas as eleições para a Assembleia Constituinte. Espera-se que a Assembleia Constituinte prepare alterações à Constituição. A convocação da Assembleia Constituinte foi declarada por Nicolás Maduro. A oposição venezuelana não reconhece os resultados das eleições, dizendo que essa convocação pode ser realizada apenas depois de um referendo.

    O professor Viktor Jeifets, da Faculdade de Relações Internacionais da Universidade Estatal de São Petersburgo e especialista em assuntos latino-americanos, comenta para o serviço russo da Rádio Sputnik a situação atual na Venezuela.

    O especialista lembrou que os EUA também não estão contentes com o que está acontecendo no Equador e na Bolívia, mas os governos destes países, ao contrário da Venezuela, mostram melhores capacidades para dirigir a economia dos seus países.

    "Eles [Equador e Bolívia] não dão motivos… Não há razões para pensar que nestes países são violados os direitos humanos. Por exemplo, no Equador o presidente não avançou para um terceiro mandato presidencial e cedeu seu lugar a outro candidato. Mas as autoridades da Venezuela dão elas próprias motivos para serem pressionadas. Os americanos aproveitam essa possibilidade", disse Jeifets.

    Caso Nicolás Maduro não consiga encontrar uma linguagem comum com a oposição do país, a situação se vai agravar e pode se transformar em uma catástrofe. O especialista sublinha que não é só Maduro o culpado, por que a própria oposição também não mostra estar disposta a realizar um diálogo.

    Mais:

    Opinião sobre tudo: Procurador da Lava Jato chama Constituinte da Venezuela de 'farsa'
    EXCLUSIVO: Os relatos de perseguição e violência em uma Venezuela tomada pelo caos
    Tudo o que você precisa saber sobre a Assembleia Constituinte da Venezuela
    Tags:
    oposição, protestos, Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela, Nicolás Maduro, EUA, Bolívia, Equador, América Latina, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik