18:13 18 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Protestas en Caracas, Venezuela

    UE condena uso excessivo da força pelas autoridades durante protestos na Venezuela

    © REUTERS / Ueslei Marcelino
    Américas
    URL curta
    1436

    A União Europeia lamenta profundamente a violência durante as eleições na Venezuela e condena o uso excessivo da força pelos serviços de segurança, lê-se em um comunicado do representante oficial da Comissão Europeia.

    "A União Europeia lamenta profundamente a violência e os distúrbios sociais durante votação de ontem [na Venezuela]. Ela expressa suas condolências aos familiares e amigos das vítimas. Todas as partes precisam evitar a violência. A União Europeia condena o uso excessivo e desproporcional da força pelas forças de segurança", disse o representante da Comissão Europeia.

    "A Venezuela tem instituições democraticamente eleitas e legítimas, cujo papel é trabalhar em conjunto para encontrar uma solução negociada para a crise atual. A Assembleia Constituinte, eleita sob circunstâncias duvidosas e frequentemente violentas, não pode ser parte da solução", sublinha o comunicado.

    As eleições para a Assembleia Constituinte foram realizadas no domingo (30). Espera-se que a Assembleia Constituinte prepare alterações à Constituição. A convocação da Assembleia Constituinte foi declarada por Nicolás Maduro. A oposição venezuelana não reconhece os resultados das eleições, dizendo que essa convocação pode ser realizada apenas depois de um referendo.

    Durante as manifestações no dia das eleições, segundo dados do opositor e líder da Ação Democrática Henry Ramos, pelo menos 16 pessoas morreram. O procurador-geral fala de 10 mortes no domingo. De acordo com os dados do Conselho Nacional Eleitoral, nas eleições tomaram parte mais de oito milhões de habitantes, ou seja, 41,53 por cento dos eleitores. Entretanto a oposição contesta estes números, publicando dezenas de fotos de mesas de voto vazias em todas as partes do país. Segundo os adversários do presidente Nicolás Maduro, 90 por cento das pessoas que têm direito de voto não votaram.

    Mais:

    Opinião sobre tudo: Procurador da Lava Jato chama Constituinte da Venezuela de 'farsa'
    Venezuela vai às urnas por Assembleia Constituinte em clima de tensão (FOTOS)
    Tags:
    violação, protestos, eleições, União Europeia, Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela, Nicolás Maduro, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik