18:01 20 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    1310
    Nos siga no

    O secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson, disse neste sábado que a Rússia e a China carregam uma “responsabilidade única e especial” pela crescente ameaça que a Coreia do Norte representa para o mundo, após mais um teste com um míssil intercontinental (ICBM, na sigla em inglês).

    “Como principais impulsionadores econômicos do programa de armas nucleares e de mísseis balísticos da Coreia do Norte, a China e a Rússia são responsáveis únicos e especiais por essa crescente ameaça à estabilidade regional e global”, afirmou Tillerson em comunicado.

    O regime de Kim Jong-un conduziu nesta sexta-feira o seu segundo teste com um ICBM em menos de um mês, o qual foi considerado bem sucedido e deve ser interpretado como uma “ameaça severa” de Pyongyang a qualquer cidade dos EUA, informou Pyongyang.

    Segundo Tillerson, o lançamento foi uma “flagrante violação de múltiplas resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas que refletem a vontade da comunidade internacional”, reforçou o secretário norte-americano.

    A China é tida como a última grande aliada da Coreia do Norte, principalmente no campo econômico – o que fez com que a Casa Branca exercesse grande pressão para que Pequim fizesse avançar a ideia da desnuclearização da Península Coreana, o que não avançou.

    Já a Rússia também possui laços com Pyongyang, tanto que o presidente russo Vladimir Putin prega uma saída diplomática para a crise na região, tendo pedido à comunidade internacional que não perdesse a calma com o regime comunista na península.

    Já o presidente norte-americano Donald Trump classificou o mais recente teste balístico norte-coreano como uma ação “imprudente e perigosa”, rejeitando a tese de Pyongyang de que tal atitude ajude a aumentar a segurança da Coreia do Norte.

    “Ao ameaçar o mundo, essas armas e testes isolam ainda mais a Coreia do Norte, enfraquecem sua economia e privam suas pessoas”, disse ele em um comunicado.

    China condena teste norte-coreano

    O Ministério de Relações Exteriores da China condenou neste sábado o mais recente teste balístico norte-coreano. Pequim destacou que defende “a paz regional e a estabilidade” e que “todas as partes interessadas devem agir com cautela para prevenir a escalada da tensão”.

    Mais:

    Estados Unidos e Coreia do Sul lançam mísseis balísticos em resposta a Pyongyang
    Japão diz que não vai tolerar novas provocações da Coreia do Norte
    Mídia: Coreia do Norte parece ter lançado um míssil
    Pequim: instalação do THAAD na Coreia do Sul ameaça a segurança nacional da China
    Tags:
    Estados Unidos, China, Rússia, Coreia do Norte, Rex Tillerson, Vladimir Putin, Donald Trump, Kim Jong-un, Casa Branca, Kremlin, icbm, Hwasong-14, míssil balístico intercontinental, guerra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar