17:24 20 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Laboratório, foto de arquivo

    Força Aérea dos EUA quer comprar amostras biológicas russas

    © AP Photo / Felipe Dana
    Américas
    URL curta
    17410

    Comando de Treinamento da Força Aérea dos EUA anunciou um concurso para compra de ácido ribonucleico (RNA) e de membranas sinoviais de russos do grupo étnico europóide.

    De acordo com o contrato, publicado no site dos contratos públicos Federal Business Opportunity em 19 de julho, a Força Aérea dos EUA planeja comprar 12 amostras de ácido ribonucleico (RNA) e 27 membranas sinoviais, que produzem o líquido necessário para o funcionamento das articulações.

    "Todas as amostras de membranas sinoviais de pessoa saudável e de ARN de pessoa saudável têm de ser de origem russa/europóide", diz o contrato.

    Mais do que isso, segundo os termos do contrato, os doadores das membranas sinoviais não devem ter ferimentos do sistema de locomoção, HIV, hepatite B, C ou sífilis. As amostras podem pertencer a diferentes dadores. É necessário indicar o sexo, idade, origem étnica, história clínica, altura, peso e outros dados.

    No contrato é indicado que as amostras de dadores da Ucrânia não serão aceitas.

    O contrato não explicita para que o comando de treinamento da Força Aérea norte-americana planeja comprar amostras biológicas russas.

    Nos últimos tempos, os militares dos EUA têm realizado concursos públicos de um modo ou de outro ligados à Rússia. Por exemplo, em abril o Ministério da Defesa decidiu comprar modelos do tanque russo T-72 e o Pentágono está procurando professores de terminologia militar russa.

    Mais:

    Força Aérea norte-coreana treina ataque contra porta-aviões dos EUA
    Boeing desenvolve tecnologias laser de alta energia para Força Aérea dos EUA
    General da Força Aérea dos EUA considera como problema intercepções de aviões pelo Irã
    Tags:
    leilões, defesa, medicina, amostras, T-72, Força Aérea dos EUA, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik