20:18 21 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Nicolás Maduro, presidente da Venezuela.

    Maduro: 'Neutralizamos um plano de intervenção estrangeira na Venezuela'

    © REUTERS/ Carlos Garcia Rawlins
    Américas
    URL curta
    Presidente contra Parlamento: Constituinte venezuelana (7)
    22205

    O chefe de Estado venezuelano denunciou uma série de ações que, segundo ele, buscam desestabilizar o governo do país sul-americano.

    O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, declarou neste sábado que o seu governo impediu uma série de eventos que visam a intervenção estrangeira na Venezuela. O presidente realizou um discurso por ocasião do aniversário de 196 anos da batalha de Carabobo, crucial para a independência da Venezuela e da América Latina.

    "Uma série de eventos implicava a chegada da frota e das tropas norte-americanas com justificativa de uma operação militar humanitária para atacar o nosso país", disse Maduro no pátio da Universidade Militar Bolivariana da Venezuela, em Caracas, segundo a agência de notícias AVN.

    O presidente acusou os líderes da oposição de planejar uma série de ações, a partir da próxima segunda-feira, durante a sessão de chanceleres da Organização dos Estados Americanos (OEA) sobre a crise política na Venezuela.

    "O plano incluía uma condenação [da Venezuela] pela OEA e a adoção de uma declaração intervencionista", disse chefe de Estado.

    Maduro afirmou que um dos objetivos do plano de desestabilização era "escalar a violência no leste de Caracas, chamar atenção para as vítimas e criar uma comoção". Ele declarou que estava em curso um plano de um "golpe de Estado Militar".

    "Pretendiam tentar derrubar o governo bolivariano e empreender uma intervenção do país por forças imperialistas", alertou.

    ​Maduro revelou que as autoridades desarticularam um grupo de hackers, que pretendiam sabotar os computadores do Conselho Nacional Eleitoral, com objetivo de impedir as eleições da Assembléia Nacional Constituinte, em 30 de julho.

    "O país continua a lutar contra aqueles que querem o reconquistar, o recolonizar, o subjugar e o escravizar", disse Maduro, referindo-se aos violentos protestos organizados pela oposição venezuelana, para chamar a atenção internacional.

    O presidente afirmou que as forças armadas "devem estar na vanguarda da rebelião contra o imperialismo, contra a oligarquia, e unidas com o povo". "Chegou a hora da rebelião anti-imperialista", concluiu Maduro.

    Tema:
    Presidente contra Parlamento: Constituinte venezuelana (7)

    Mais:

    Ministério Público da Venezuela pede anulação dos decretos de Maduro sobre Constituinte
    Tillerson: EUA devem ajudar a unificar a oposição na Venezuela
    EUA estudam aplicar novas sanções contra a Venezuela
    A bomba de petróleo preparada pelos EUA para Venezuela
    Rússia 'não admitirá chantagem alimentar à Venezuela pelos grandes Estados imperialistas'
    Mídia: EUA querem introduzir novas sanções contra Venezuela
    Tags:
    crise política, oposição, golpe de Estado, imperialismo, Organização dos Estados Americanos (OEA), Nicolás Maduro, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik