20:22 17 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    015
    Nos siga no

    O desenvolvimento e modernização das forças nucleares dos Estados Unidos pelos próximos 20 anos vai custar entre US$ 230 bilhões e US$ 290 bilhões, de acordo com o subsecretário adjunto do Ministério da Defesa do país, Robert Soofer.

    Os dados foram revelados por ele em um recente discurso à Comissão dos Assuntos das Forças Armadas do Senado dos EUA, em um evento no qual Soofer ponderou a respeito da necessidade de desenvolver a energia nuclear, o que pede por mais recursos.

    “Este valor inclui o custo total dos sistemas de entrega estratégica de armas nucleares, e parcialmente o bombardeiro B-21, que pode utilizar tanto [energia] nuclear e convencional”, comentou o subsecretário aos senadores.

    O planejamento estimado até 2040 prevê um acréscimo já a partir de 2018, subindo dos atuais US$ 14 bilhões para US$ 19 bilhões – aumento este dedicado exclusivamente à modernização do arsenal nuclear dos EUA.

    Soofer informou também que os recursos serão alocados para o desenvolvimento dos submarinos da classe Columbia (US$ 5 bilhões/ano) e bombardeiros estratégicos B-21 nova geração (US$ 2,7 bilhões/ano), bem como para a produção e modernização de mísseis balísticos e de cruzeiro.

    Na opinião do subsecretário, as ameaças representadas por Rússia e China justificam os investimentos. Soofer explicou que os russos são os únicos que podem competir com os norte-americanos, dado o tamanho do seu arsenal nuclear.

    A China e a Coreia do Norte também foram mencionadas na análise do militar.

    “As mais certas ações da China na Ásia-Pacífico provam a sua intenção de ocupar uma posição dominante na região. As autoridades norte-coreanas têm mostrado que eles estão dispostas a aceitar a possibilidade de sanções econômicas e isolamento internacional, a fim de aumentar sua capacidade nuclear e desenvolver mísseis balísticos capazes de atacar os EUA e nossos aliados na região”, disse.

    Apesar do discurso de Soofer, os norte-americanos investiram nove vezes mais em armas nucleares do que a Rússia. No total, mais de um terço dos gastos militares de todo o mundo são dos EUA, país seguido pelos chineses.

    Mais:

    Pentágono anuncia planos de enviar quase 4 mil soldados ao Afeganistão
    Trump dá autoridade ao Pentágono para determinar número de tropas dos EUA no Afeganistão
    Pentágono disse que ataques aéreos contra tropas do governo sírio eram autodefesa
    Tags:
    Estados Unidos, China, Rússia, Coreia do Norte, Robert Soofer, Pentágono, guerra, guerra nuclear, armas nucleares, terceira guerra mundial, corrida armamentista
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar