14:12 20 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Ivanka Trump ouve discurso na Convenção Nacional Republicana em Cleveland, Ohio, EUA, 19 de julho de 2016

    Que papel desempenhou Ivanka Trump na decisão do seu pai de atacar base aérea síria?

    © AFP 2018 / Robyn Beck
    Américas
    URL curta
    10418

    A filha do presidente dos EUA, Ivanka Trump influenciou na decisão de Washington sobre ataque de mísseis à Síria, informa The Independent, citando fontes dos círculos diplomáticos britânicos.

    Conforme o jornal, o embaixador da Grã-Bretanha em Washington, Kim Darroch, enviou à primeira-ministra britânica e ao chefe da chancelaria do país um documento sobre Donald Trump ter "se impressionado profundamente" com as notícias sobre ataque químico na Síria.

    De acordo com as fontes do jornal, acima citadas, o diplomata britânico também contou que Ivanka Trump "influenciou consideravelmente" na decisão da Sala Oval. É por isso, opina o embaixador, que a decisão do presidente dos EUA foi "mais forte do que deveria ser".

    Anteriormente, Ivanka Trump publicou em sua página no Twitter que tem orgulho do seu pai, quem ordenou realizar ataques de mísseis à Síria.

    Os Estados Unidos lançaram pelo menos 59 mísseis de cruzeiro na madruga de 6 para 7 de abril contra um aeródromo sírio próximo à cidade de Homs. O ataque seria uma resposta de Trump às denúncias de uso de armas químicas proibidas pelo governo sírio, responsável pela morte de 100 pessoas na terça-feira.

    Mais:

    Para quem Trump enviou aviso ao atacar Síria? Ministra da Defesa alemã responde
    Bashar Assad 'xingou' Trump reiniciando voos da base aérea Shayrat
    Trump quer 'gama completa de opções' para ação na Coreia do Norte
    Trump exorta al-Sisi a 'lidar corretamente' com repressão a terroristas no Egito
    Tags:
    ataque químico, base aérea, ataque, papel, decisão, influência política, Boris Johnson, Theresa May, Ivanka Trump, Donald Trump, Washington, Grã-Bretanha, Shayrat, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik