00:20 13 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    671
    Nos siga no

    Os eleitores republicanos estão muito mais preocupados com os vazamentos da Casa Branca com a mídia, em relação às conversas telefônicas entre a administração e a Rússia do que com o conteúdo dos vazamentos, de acordo com uma pesquisa divulgada na quarta-feira.

    A pesquisa, realizada pela Reuters / Ipsos de 16 a 20 de fevereiro, descobriu que 57% dos republicanos estão mais preocupados com os vazamentos propriamente ditos do que com o conteúdo dos telefonemas. Apenas 23% dos entrevistados estavam mais preocupados com o contato entre os assessores da Casa Branca e a Rússia, enquanto os 20% restantes não souberam opinar.

    O general Michael Flynn renunciou recentemente ao cargo de Conselheiro de Segurança Nacional do governo Trump, após a troca de informações entre ele e o embaixador russo durante o período de transição. A mídia, juntamente com legisladores democratas, travou uma campanha acusando-o de minar a administração Obama e apontando que ele mentiu para a atual administração Trump sobre as conversas.

    "As pessoas que deram informações à imprensa devem ter vergonha", disse o presidente dos EUA, Donald Trump, sobre as fontes jornalísticas durante uma recente conferência de imprensa.

    Trump defendeu Flynn, afirmando que ele só estava fazendo seu trabalho quando falou com o embaixador russo, pedindo que à Rússia para retardar em reagir às sanções colocadas sob o presidente Barack Obama até Trump assumiu o cargo.

    "Os republicanos têm agora uma maior prioridade em sua identificação partidária e apoio para seu atual líder do que os princípios que têm tido durante muitas décadas", disse Larry Sabato, diretor do Centro de Política da Universidade da Virgínia. "Vivemos em uma era muito polarizada".

    Gary Crosen, 65, um aposentado de Millersville, Maryland, que foi um dos entrevistados, explicou por que ele está mais preocupado com os vazamentos.

    "Considero a Rússia um dos nossos amigos", disse Crosen aos pesquisadores, explicando que ele não acha que as conversas privadas deveriam ter sido vazadas. "Não precisamos  alardear da maneira como a mídia tem feito"

    Mais:

    Fatos nulos: senador russo comenta artigo da mídia sobre contatos entre Trump e Rússia
    Almirante diz não a convite de Trump para ser novo conselheiro de segurança nacional
    Chanceler russo acusa serviços secretos dos EUA de grampearem telefone do embaixador russo
    Tags:
    Departamento de Segurança Nacional dos EUA, Casa Branca, Reuters/Ipsos, Barack Obama, Larry Sabato, Donald Trump, Maryland, Millersville, Rússia, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar