05:56 19 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    271
    Nos siga no

    A presidência de Donald Trump irá fazer alterações significativas na política externa de Washington e o novo líder tenciona reforçar os laços com Moscou, segundo o chefe da Câmara de Comércio Americana na Rússia.

    O presidente eleito dos EUA Donald Trump será fiel às promessas feitas durante companha eleitoral de melhorar as relações com a Rússia, disse o chefe da Câmara de Comércio americana na Rússia, Alexis Rodziabko, à Sputnik International.

    "É muito provável que Trump se mantenha fiel à melhoria das relações com a Rússia ou, pelo menos,  dê alguns passos ao encontro da Rússia", disse Alexis Rodzianko.

    Vão realmente acontecer alterações significativas na política externa dos EUA e sua orientação dá esperança em melhores relações com Moscou, acrescentou o presidente e diretor executivo da Câmara.

    Trump falou bastante da Rússia durante a campanha eleitoral, recordou Rodzianko, observando que o candidato republicano se mostrou mais aberto a mudanças na política dos EUA, enquanto a sua rival democrata Hillary Clinton foi menos flexível e demonstrou querer manter a atual situação nas relações russo-americanas. 

    "Quanto mais ele for capaz de fazer o que prometeu, melhor é para ele", afirmou Rodzianko.

    O chefe da Câmara de Comércio Americana na Rússia acha que há possibilidades de levantar as sanções contra Moscou após a vitória de Trump.

    A vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais dos EUA incute esperança no eventual levantamento das sanções económicas contra a Rússia, disse Alexis Rodzianko à Sputnik International.

    "Claro que há chances. Não será fácil, mas, se o desejo de melhorar as relações for realmente alcançado ao nível dos presidentes, as consequências evidentes serão um alívio das sanções ou até a sua remoção", disse Rodzianko. 

    Alexis Rodzianko observou que é difícil encontrar estatísticas sobre as perdas dos empresários nos EUA devido ao regime de sanções. "Também é difícil separar o impacto das sanções do efeito de mercado, especialmente no que se refere aos preços do petróleo", acrescentou Rodzianko.

    "É evidente que as sanções não ajudam e criam um ambiente emocional depressivo. Mas receio indicar um número e nós ainda nem o tentarmos estimar", indicou.

    Trump ganhou nas eleições presidenciais dos EUA em novembro, assegurando a maioria dos votos do Colégio Eleitoral. Ele deverá tomar posse em 20 de janeiro. Durante a sua campanha eleitoral, Trump apelou reiteradamente para o diálogo com a Rússia e para a combinação de esforços na luta contra o terrorismo na Síria, destruída pela guerra.

    Trump reafirmou a sua vontade de normalizar as relações entre os EUA e a Rússia em sua primeira conversa telefónica com o presidente russo Vladimir Putin em 14 de novembro.

    Desde 2014, as relações entre a Rússia e os EUA deterioraram-se devido à crise na Ucrânia. Washington e seus aliados introduziram várias etapas das sanções contra Rússia desde que a Crimeia se tornou uma parte da Rússia em 2014 e sob o pretexto do suposto envolvimento de Moscou no conflito ucraniano. A Rússia tem reiteradamente negado tais alegações, avisando que as sanções ocidentais são contraproducentes e minam a estabilidade global.

    Mais:

    Vitória de Trump pode provocar revolução nos EUA?
    Vira o disco e toca o mesmo? EUA chamam novamente Rússia de 'ameaça número um'
    'Viver no Caribe e desafiar os EUA é façanha de Dom Quixote'
    Putin: tentativas de criar mundo unipolar falharam
    Putin irrompe em canal governamental norte-americano
    Tags:
    sanções econômicas, novo presidente, relações bilaterais, Colégio Eleitoral dos EUA, Câmara de Comércio dos EUA na Rússia, Alexis Rodzianko, Donald Trump, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar