10:24 22 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Eleições no Haiti

    Depois de vários adiamentos, Haiti realiza eleições gerais neste domingo

    © AFP 2017/ HECTOR RETAMAL
    Américas
    URL curta
    0 15801

    Pleito acontece após furacão Matthew, que destruiu o país e deixou centenas mortos.

    Depois de vários adiamentos, o Haiti realiza neste domingo, eleições gerais para os cargos de presidente e de representantes no Parlamento do país. Ao todo, 27 candidatos concorrem ao posto.

    Os problemas em torno do voto para presidente começaram no ano passado. Jovenel Moise, membro do partido do ex-presidente Michel Martelly, venceu o primeiro turno, mas o resultado foi contestado pelos adversários. Protestos violentos se seguiram na capital Porto Príncipe, levando ao cancelamento do segundo turno.

    Escolhido para servir como presidente interino do Haiti após o fim do mandato de Martelly em fevereiro, o presidente do Senado Haitiano, Jocelerme Privert afirmou à época que permaneceria no poder até que um novo presidente fosse eleito.

    Furacão adiou pleito

    O Conselho Eleitoral do Haiti abriu investigação sobre o pleito de 2015 em junho deste ano e afirmou ter contado cerca de 600 mil votos inválidos. Uma nova votação foi marcada para o dia 9 de outubro, mas cancelada às vésperas devido aos efeitos devastadores do Furacão Matthews.

    A tempestade tropical deixou centenas mortos no país. Além disso, muitos eleitores tiveram seus documentos de votação destruídos.

    Mais:

    Eleições no Haiti: Instabilidade gera risco de intervenção estrangeira?
    Presidente resigna ao cargo, e Haiti tem dois meses para procurar sucessor
    Deputado uruguaio diz que tropas da ONU podem deixar o Haiti em 2017
    Número de vítimas do furacão Matthew sobe para 877 no Haiti
    Furacão Matthew já matou 842 pessoas no Haiti e atinge costa dos EUA
    Tags:
    Furacão Matthews, Conselho Eleitoral do Haiti, Michel Martelly, Jocelerme Privert, Jovenel Moise, Porto Príncipe, Haiti
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik