20:55 12 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    State Department Spokesman John Kirby speaks during the daily briefing at the State Department on January 6, 2015 in Washington, DC

    'Por que você não pergunta ao seu governo?': Kirby se zanga com jornalista do RT (VÍDEO)

    © AFP 2019 / MANDEL NGAN
    Américas
    URL curta
    23114
    Nos siga no

    O Departamento de Estado dos EUA se recusou a fornecer evidências de bombardeios russos de alvos civis na Síria. Entretanto, o representante do departamento, John Kirby, respondendo a perguntas dos jornalistas, levantou a voz para uma correspondente da RT, que lhe pediu para detalhar as acusações de Washington.

    As antigas acusações sem provas

    No briefing se falou das declarações do Departamento de Estado, que acusou a Força Aeroespacial da Rússia de ataques contra cinco hospitais e uma clínica móvel na Síria. Washington chamou isso de "violação do direito internacional".

    Apesar da gravidade destas acusações adicionais, Kirby não conseguiu apresentar qualquer evidência e nem sequer nomeou os lugares onde alegadamente teriam ocorrido os ataques.

    "Eu não tenho nenhuma informação concreta para vocês, nem os locais [dos bombardeios]. Eu não tenho isso. Como dissemos, nós vimos relatórios sobre este assunto", disse o representante do Departamento de Estado, acrescentando que se trata de ‘relatórios de confiança' de organizações humanitárias.

    Kirby também admitiu não possuir informações sobre as operações militares russas na Síria.

    "Eu diria que nós vimos ataques aéreos adicionais na Síria efetuados pela Rússia e pelo regime [do presidente sírio, Bashar Assad], que incluíam informações (e não temos nenhuma razão para duvidar desses relatórios) sobre cinco hospitais e, pelo menos, uma clínica móvel que foram atingidos", disse Kirby.

    Uma reação nervosa

    O ataque nervoso de Kirby aconteceu depois da tentativa de uma correspondente do canal de televisão RT para esclarecer exatamente de onde Washington obteve os dados sobre as ações da Força Aeroespacial.

    "Você trabalha para RT? Por que não faz ao seu governo as mesmas perguntas? Pergunte-lhes sobre suas atividades militares. Peça-lhes uma lista de hospitais que vocês atacam", disse o representante do Departamento de Estado.

    O RT afirmou que uma reação tão emocional de Kirby surpreendeu até mesmo os jornalistas ocidentais, que chamaram a posição do funcionário americano de incorreta.

    Depois do briefing, Elizabeth Trudeau, que também é porta-voz do Departamento de Estado, pediu desculpas à jornalista e prometeu "fornecer ao RT os endereços concretos de hospitais que, segundo considera Washington, sofreram ataques aéreos".

    ‘Mentira descarada'

    O Ministério da Defesa russo, comentando as alegações de ataques contra hospitais, disse que a retórica de Washington sobre a Síria se baseia em "mentiras descaradas".

    "Eles devem estar cansados de mentir, provavelmente. Nós pedimos muitas vezes, mas além de afirmações gratuitas, nenhum fato foi fornecido. O principal é culpar a Rússia hoje", disse o representante da estrutura militar Igor Konashenkov.

    O vice-primeiro-ministro Dmitry Rogozin também chamou de mentira as acusações de Washington.

    "Para que acreditem em uma mentira, ela tem de ser horrível. Querem que lembre quem disse isso?", escreveu o político no Facebook.

    Na mesma linha se expressou em seu livro "Mein Kampf" o líder da Alemanha nazista Adolf Hitler, que seguidamente foi citado por várias vezes pelo ministro da propaganda Joseph Goebbels.

    Mais:

    Especialista: Washington quer que 'derramamento de sangue' em Aleppo continue
    Tags:
    militar, bombardeio, Departamento de Estado dos EUA, Força Aeroespacial da Rússia, Departamento de Estado, RT, Elizabeth Trudeau, John Kirby, Adolf Hitler, Igor Konashenkov, Dmitry Rogozin, América, Síria, EUA, Washington
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar