17:46 22 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Bandeiras de Mercosul

    Para diplomacia brasileira, Venezuela mais atrapalha do que ajuda no Mercosul

    © AFP 2017/ Juan Mabromata
    Américas
    URL curta
    1686253

    A permanência da Venezuela no Mercosul voltou a ser questionada pelo Brasil. Ao participar na terça-feira de um encontro de comércio exterior em São Paulo, o ministro das Relações Exteriores, José Serra, disse que a permanência do país no bloco mais atrapalha do que ajuda. Para o ministro, a saída do país não faria nenhuma diferença.

    Para justificar suas afirmações, Serra disse que o governo do presidente Nicolás Maduro não cumpriu compromissos assumidos em 2006 para se integrar ao bloco. Ainda segundo o ministro, a Venezuela ainda não assinou um acordo com a Colômbia para intercâmbio nas áreas da indústria têxtil e de siderurgia. Desde o impeachment de Dilma Roussef, as relações entre Brasil e Venezuela só têm se deteriorado. Desde o início do segundo semestre, Brasil, Argentina e Paraguai têm se mobilizado tentando suspender ou mesmo retirar a Venezuela do acordo sob a alegação de que o país descumpre as chamadas cláusulas democráticas.

    A opinião do ministro das Relações Exteriores é compartilhada por alguns nomes de peso da diplomacia brasileira. Luis Augusto Castro Neves, que ocupou o cargo de embaixador em postos importantes como Buenos Aires, Londres, Pequim e Tóquio, além da presidência do Ceentro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri) endossa as palavras de Serra: "É óbvio que atrapalha mais do que ajuda."

    Na visão de Castro Neves, a instabilidade política agrava a situação do país vizinho, que nunca teve compromisso sério com o Mercosul. 

    "O objetivo do governo venezuelano, à época do Chávez (Hugo Chávez, presidente morto em março de 2013) era ter mais uma tribuna para ele veicular sua mensagem. Não havia nenhum interesse em integrar a economia venezuelana às dos demais do Mercosul, que já tem suas dificuldades em si mesmo. Eles só fizeram uma adesão política. Tanto é que precisaram fazer um artifício, suspender o Paraguai (2012). A própria entrada da Venezuela já tem uma legalidade duvidosa." 

    Parao embaixador, a Bolívia — outro país de orientação bolivariana, assim como a Venezuela — tem chances de ser aceita no bloco. 

    'Vai depender efetivamente se o Mercosul quer se transformar numa zona de livre comércio e quem sabe, no futuro, forme um mercado comum, que é, aliás, o propósito do Tratado de Assunção."

    Mais:

    Brasil esvazia o Mercosul; próximo passo são os BRICS?
    Venezuela: direita tenta destruir o Mercosul
    Tags:
    ideologia, diplomacia, integração regional, dificuldades, bloco econômico, Cebri, Ministério das Relações Exteriores, Mercosul, Luis Augusto Castro Neves, Hugo Chávez, Nicolás Maduro, José Serra, América do Sul, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik