22:39 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Cena do vídeo que mostra agentes atirando contra o carro de Chris Few na Louisiana

    EUA: Menino autista morre baleado por policiais em Louisiana (VÍDEO)

    YouTube/RT en Español
    Américas
    URL curta
    0 12

    A polícia norte-americana publicou nesta quinta-feira (29) o vídeo da morte de Jeremy Mardis, um menino autista de seis anos baleado por agentes no estado de Louisiana no ano passado. As imagens são fortes: recomenda-se discrição.

    O garoto morreu de ferimentos múltiplos na cabeça e no peito no carro de seu pai, que estava sendo perseguido pela polícia na cidade de Marksville em novembro passado. O pai da criança, Chris Few, ficou gravemente ferido.

    Os dois policiais envolvidos no homicídio, Derrick Stafford e Norris Greenhouse, foram presos e acusados de assassinato e tentativa de assassinato de segundo grau.

    Os promotores de Louisiana exibiram o vídeo diante de um tribunal na quarta-feira para provar que Stafford tinha a tendência de usar força excessiva durante as detenções.

    A defesa disse que os policiais agiram em legítima defesa, alegando que o carro de Few havia colocado uma ameaça para as suas vidas. Stafford diz ainda que não tinha visto que havia uma criança no veículo.

    O vídeo, gravado pela câmera de um dos agentes no momento da detenção, começa com imagens do tiroteio. Quando já não se ouve nenhum tiro ou sirene, um policial ordena que o suspeito mostre as mãos, mas o homem está caído por sobre a janela do motorista quando é abordado pelos agentes.

    Os investigadores encontraram 14 cartuchos descarregados da arma de Stafford e quatro da de Greenhouse. 

    Mais:

    Dois policiais podem ter sido mortos durante protestos contra violência policial em Dallas
    Um ano depois, a violência policial continua nos EUA
    Tags:
    vídeo, autista, mortes, polícia, violência policial, Jeremy Mardis, Norris Greenhouse, Derrick Stafford, Marksville, Louisiana, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik