05:43 24 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Barack Obama, presidente dos Estados Unidos, e Xi Jinping, presidente da China

    Visita de despedida à China vira fracasso para Obama

    © AP Photo/ Andy Wong
    Américas
    URL curta
    71411182

    A última visita do presidente norte-americano à China foi uma falha tal como foi a primeira, escreve o jornal Die Welt.

    "Barak Obama queria fazer seu país se virar para a Ásia para garantir seus interesses estratégicos. Mas as autoridades locais impediram-no de fazer isso. Parece que se perdeu uma oportunidade histórica", escreve o autor.

    A visita recente de Obama começou com uma "humilhação simbólica": devido à falta de coordenação do horário da chegada, "a pessoa mais influente do mundo" [assim Die Welt chama Obama] teve que usar uma saída alternativa na cauda do avião.

    Além disso, os conselheiros do presidente americano e altos funcionários chineses começaram a brigar, tentando deitar para fora as tensões acumuladas durante muitos anos.

    Outrora Obama declarou que estava pronto a dar a mão a quaisquer "adversários e rivais" dos EUA, até a Pequim. Em 2009, ele recusou receber Dalai Lama para não zangar os chineses.

    Durante o primeiro ano da sua presidência, Obama fez uma visita à China que falhou, tal como este ano, destaca a edição.

    Os chineses tentavam controlar cada passo de Obama. Não lhe permitiram se encontrar com a oposição política, não o deixaram responder na coletiva de imprensa, não autorizaram se apresentar na rádio.

    "Este ataque da China foi uma lição para Obama. O presidente e os seus conselheiros chegaram à conclusão que a China só percebe a linguagem da força", diz o artigo.

    Segundo destaca o autor do artigo, a política de viragem a Oriente estava ligada a grandes esperanças, tal como outras iniciativas de Obama. Esta política não resultou em nada de notável.

    As autoridades de Pequim não ficaram impressionadas com essa viragem, durante muitos anos elas usaram uma política de mordacidade e de redução do poder americano, observa o autor do artigo.

    Outro plano dos EUA na Ásia que falhou foi a Parceria Transpacífico.

    De acordo com o autor, a virada para a Ásia criou um "vácuo" em outras partes do mundo, que permitiu a atividade dos "maus", entre os quais o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia), que se aproveitaram da situação e voltam a envolver os EUA no Oriente Médio.

    Os problemas dos EUA na Ásia aumentaram, por um lado, devido à deslocação do equilíbrio de forças para o lado da China, e por outro, por causa de muitos considerarem a política externa de Obama muito fraca.

    Obama, por sua vez, disse "não exagerem", e quando o presidente das Filipinas o chamou de "filho da p***", Obama cancelou o encontro com ele. "No mundo de Obama isto foi a expressão de sua máxima dureza diplomática", conclui o autor.

    Mais:

    Obama revela suas impressões sobre encontro com Putin
    Pequim revela verdadeira história da recepção de Obama na China
    Putin e Obama se reúnem em Hangzhou
    Obama: não haverá progresso na Síria sem compromissos da parte da Rússia
    Tags:
    relações internacionais, política externa, Barack Obama, Ásia, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik