14:37 21 Julho 2018
Ouvir Rádio
    The Medium Extended Air Defense System (MEADS), built by US-based defense contractor Lockheed Martin

    Intenção dos EUA de modernizar Tríade nuclear é 'insensata'

    © AP Photo / Lockheed Martin
    Américas
    URL curta
    1385

    Os planos dos EUA de modernizar suas forças nucleares e substituir os mísseis balísticos intercontinentais Minuteman (ICBM) por mísseis nucleares avançados de contenção de baseamento terrestre (GBSD) são "insensatos", disse o ex-secretário da Defesa norte-americano William Perry à Sputnik.

    "Acho que iniciar esta rodada de uma nova corrida ao armamento nuclear é extremamente insensato e se baseia na falta de entendimento", disse Perry. "Falamos sobre grandes despesas aqui e isso foi pouco discutido e debatido, mas continuamos avançando com essa ideia".

    Em Outubro de 2015, à empresa norte-americana Northrop Grumman foi atribuído um contrato para desenvolvimento da construção do bombardeiro estratégico B-21 da nova geração, enquanto a Lockheed Martin e a Boeing afirmaram que planejavam apresentar propostas para desenvolver os mísseis balísticos GBSD.

    Perry acrescentou que os ICBM baseados em silos representam o ponto fraco da Tríade nuclear norte-americana.

    "Em caso de guerra nuclear, eles [os ICBM] serão os primeiros alvos e o problema aqui é que todos sabemos tudo isso e, portanto, no nosso sistema de alerta se nós vemos uma indicação do lançamento efetuado temos que decidir se é preciso lançar estes ICBM sem demora", sublinhou. 

    Perry foi o décimo nono secretário da Defesa dos EUA durante o período de 1994 a 1997. Ele é também o autor da "Minha viagem à beira do nuclear" e o diretor do projeto de defesa preventiva na Universidade de Stanford.

    Mais:

    EUA usam caças B-2 para treinar ataque nuclear preventivo contra Coreia do Norte
    Coreia do Norte acusa EUA de prepararem ataque nuclear
    Tags:
    despesas, opinião, problemas, bombardeiro estratégico, nuclear, armamento, Lockheed Martin, William Perry, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik