Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Mídia: Israel pressiona EUA a removerem NSO Group, desenvolvedor do spyware Pegasus, da lista negra

© AFP 2022 / JOEL SAGET Ilustração de smartphone com o site da empresa israelense NSO Group, desenvolvedora do spyware Pegasus, Paris, 21 d julho de 2021
 Ilustração de smartphone com o site da empresa israelense NSO Group, desenvolvedora do spyware Pegasus, Paris, 21 d julho de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 11.06.2022
Nos siga noTelegram
Na visão do Estado judeu, o grupo não pode pagar o preço por ter tido "vários clientes ruins" que fizeram mal uso da ferramenta. Pegasus foi o programa utilizado para espionar o celular de diversas autoridades, como Emmanuel Macron, Pedro Sánchez e López Obrador.
Israel está pressionando o governo Biden a remover a empresa NSO Group de uma lista negra do governo norte-americano, relata o The Times of Israel.
A companhia é responsável pelo desenvolvimento do spyware Pegasus, programa que espionou o celular de diversas autoridades, como o primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, o presidente da França, Emmanuel Macron, o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, diversos ministros da União Europeia, jornalistas e até mesmo o círculo próximo ao ex-premiê israelense, Benjamin Netanyahu, entre outros.
Segundo a mídia, o Departamento de Comércio dos EUA adicionou a NSO Group à sua Lista de Entidades em novembro de 2021, impedindo-a de adquirir tecnologia estadunidense.
Os EUA justificaram sua decisão na semana passada, alegando que a empresa fornece "spyware para governos estrangeiros que usaram essas ferramentas para atingir funcionários do governo, jornalistas, empresários, ativistas, acadêmicos e funcionários de embaixadas de maneira maliciosa". Entretando, Tel Aviv tenta recorrer a ação.
O primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sanchez, telefona durante uma cúpula da UE em Bruxelas (foto de arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 02.05.2022
Panorama internacional
Governo da Espanha divulga que Pedro Sánchez teve celular espionado pelo spyware Pegasus
Dias após a decisão, o CEO da NSO, Shalev Hulio, escreveu uma carta diretamente ao primeiro-ministro, Naftali Bennett, pedindo seu apoio na luta contra a decisão do governo Biden.
Um alto funcionário israelense citado pelo jornal afirmou que "dissemos aos EUA que eles não podem destruir a NSO e que vários clientes ruins não significam que os produtos e capacidades da empresa não sejam mais necessários", acrescentando que Washington deveria ser mais claro sobre o que a empresa cibernética precisa reformar e dar-lhe uma chance de fazê-lo.
A própria NSO também contratou dois escritórios de advocacia norte-americanos para ajudar em sua batalha legal e enviou uma solicitação ao Departamento de Comércio para apelar da listagem. Uma audiência sobre o assunto não ocorreu, mas os contatos entre a NSO e o Departamento de Comércio continuam, afirma o Times of Israel.
Além das autoridades citadas, o spyware Pegasus teria como clientes países como Hungria, Índia, México, Marrocos e Arábia Saudita, que teriam usado o programa para fins duvidosos.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала