Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

EUA asseguram que Pequim armou totalmente várias ilhas artificiais no mar do Sul da China

© REUTERS / ReutersRecife de Ladd, ilhas Spratly, mar do Sul da China
Recife de Ladd, ilhas Spratly, mar do Sul da China - Sputnik Brasil, 1920, 21.03.2022
Nos siga noTelegram
O comandante das forças norte-americanas na região do Indo-Pacífico considera que o acúmulo de armas por parte do gigante asiático está desestabilizando a região.
A China militarizou totalmente ao menos três das ilhas artificiais que construiu no mar do Sul da China, armando-as com sistemas de mísseis antinavio e antiaéreos, sistemas laser, equipamentos de interferência eletrônica e aviões de combate, declarou o comandante das forças norte-americanas na região do Indo-Pacífico, almirante John Aquilin, em entrevista à agência de notícias AP.
Segundo o almirante, estas ações de Pequim contrastam com as promessas do presidente Xi Jinping de que não converteria as ilhas artificiais em bases militares.
"Acredito que nos últimos 20 anos temos sido testemunhas da maior concentração militar desde a Segunda Guerra Mundial por parte da China [...] Avançaram em todas as suas capacidades e essa acumulação de armas está desestabilizando a região", afirmou o almirante.
Pequim assegura que suas ações nestas ilhas do arquipélago Spratly, uma das regiões mais disputadas do mundo, são puramente defensivas e têm como objetivo proteger seus direitos soberanos.
A bandeira chinesa tremula perto da Torre 3 do China World Trade Center em Pequim, 29 de novembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 19.03.2022
Panorama internacional
OTAN é 'remanescente da Guerra Fria' que já deveria ter desaparecido, diz China
"A função destas ilhas é expandir a capacidade ofensiva da China mais além de suas costas continentais", com o que "podem voar caças, bombardeiros e todas essas capacidades ofensivas dos sistemas de mísseis", destacou.
Além disso, o almirante considera que qualquer aeronave militar ou civil que sobrevoe o arquipélago Spratly poderia entrar facilmente dentro da zona de alcance dos sistemas de mísseis chineses.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала