Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

'Saída beneficiará Rússia e China': Mitsui e Mitsubishi mantêm participação do projeto Sakhalin-2

© AP PhotoNavio de gás natural liquefeito com carregamento do projeto Sakhalin-2 no porto de Prigorodnoe, Rússia, 29 de outubro de 2021
Navio de gás natural liquefeito com carregamento do projeto Sakhalin-2 no porto de Prigorodnoe, Rússia, 29 de outubro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 13.03.2022
Nos siga noTelegram
As empresas Mitsui & Co. e Mitsubishi, do Japão, manterão pelo menos a curto prazo sua participação do projeto de petróleo e gás natural do Sakhalin-2 com a Rússia, relatou mídia.
As empresas japonesas Mitsui & Co. e Mitsubishi continuarão participando do projeto de petróleo e gás natural Sakhalin-2 na ilha russa de Sakhalin, apesar da saída da multinacional britânica Shell, informou no domingo (13) o jornal Nikkei.
Com quase 10% das necessidades de abastecimento de gás natural liquefeito (GNL) do Japão asseguradas pelo projeto, um executivo energético teria dito a altos funcionários do Ministério da Economia, Comércio e Indústria que "a posição do Japão nos seus interesses em Sakhalin é altamente diferente que a da Europa e dos EUA".
O projeto de GNL, o primeiro da Rússia, e cujo fornecimento começou em 2009, tem uma participação de 12,5% da Mitsui e de 10% da Mitsubishi, sendo 60% das dez milhões de toneladas transportadas para o Japão, e constituindo quase todas as importações de GNL da Rússia, aponta o Nikkei.
Plataforma de perfuração de petróleo e de queima de gás da empresa petrolífera Gazprom Neft na Rússia - Sputnik Brasil, 1920, 05.03.2022
Panorama internacional
Conselheiros de Biden pedem aos senadores democratas para não apoiarem sanções sobre petróleo russo
Contrário da Shell, cuja participação estava principalmente ligada aos mercados asiáticos, as empresas japonesas integraram o gás do Sakhalin-2, que chega ao Japão em três dias, nas redes de fornecimento do país, em lugar do transporte do Oriente Médio, que dura duas semanas. Uma saída agora foi estimada custar quase US$ 20 bilhões (R$ 101,5 bilhões) ao público japonês, o que acrescentaria pressão à atual subida de seus preços de eletricidade e gás.
Outro dos perigos referidos é que "a China assumirá os interesses", devido ao projeto continuar independentemente de uma saída do Japão, o que levaria a uma monopolização de interesses no Extremo Oriente por parte de Pequim e Moscou, e consequente maior influência na diplomacia e segurança energética. Nesse caso os japoneses estariam "abandonando nossos interesses, sem efeito de sanções na Rússia".
"Uma saída beneficiará a Rússia e a China", concluiu um documento apresentado pelo Ministério da Economia, Comércio e Indústria.
Os funcionários do ministério creem assim que "os interesses são muito importantes", apesar de apontarem a possibilidade da União Europeia abandonar a importação de petróleo e gás da Rússia, o que pioraria as relações com "países amigáveis" se o Japão não seguir o exemplo. Assim, eles concordam que é necessário "adotar uma estratégia desrussificadora" a longo prazo.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала