Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
Trabalhador da saúde segura seringa em ponto de vacinação contra a COVID-19 em loja de departamentos GUM de Moscou, Rússia - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Propagação e combate à COVID-19
Informações atuais sobre a dissimilação de coronavírus no Brasil e no mundo. Fique por dentro das principais notícias sobre o tema.

Poderia variante Ômicron acabar eventualmente com pandemia no mundo?

© REUTERS / Tom NicholsonPessoas passam Ponte de Westminster após anúncio de novas restrições devido à variante Ômicron da COVID-19, Londres, Inglaterra, Reino Unido, 28 de novembro de 2021
Pessoas passam Ponte de Westminster após anúncio de novas restrições devido à variante Ômicron da COVID-19, Londres, Inglaterra, Reino Unido, 28 de novembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 30.11.2021
Nos siga no
Poderia o surgimento da Ômicron, possivelmente uma variante mais infecciosa e menos virulenta, ser uma coisa positiva para a saúde pública?
Embora seja muito cedo para tirar conclusões, alguns dos principais especialistas em doenças infecciosas expressam alguma esperança.
Desde o início da pandemia, epidemiologistas têm pensado que isso poderia ser uma forma de lidar com o problema. O vírus poderia se transformar em uma forma mais benigna, que continuaria se espalhando, mas mataria menos pessoas e haveria menos internações em hospitais.
Foi isso que aconteceu com o vírus da gripe suína H1N1 em 2009, que se propagou de tal forma que foi considerado uma pandemia, e ele pode explicar as origens do resfriado comum, escreve portal The Age.
As primeiras informações da África do Sul, onde Ômicron parece já estar substituindo Delta como a cepa dominante, sugerem que essa nova variante que apresenta mutações radicais pode ser aquela por qual os especialistas têm esperado.
Seringas em frente do nome da nova mutação Ômicron do coronavírus, ilustração feita em 27 de novembro - Sputnik Brasil, 1920, 29.11.2021
Propagação e combate à COVID-19
Qual principal perigo traz nova mutação Ômicron e o que pode ser feito? Biólogos explicam
"Ainda não sabemos, mas há algumas pistas que [Ômicron] pode ser menos virulenta. Embora neste momento seja um pouco desesperador, isso pode funcionar a nosso favor", observou Tony Blakely, epidemiologista da Universidade de Melbourne, na Austrália.
Catherine Bennett, epidemiologista da Universidade Deakin, enquanto também é cautelosa, diz que neste momento as evidências dão motivos de otimismo.
"Há uma possiblidade de que estejamos presenciando uma versão mais infecciosa e menos virulenta do vírus, que seria uma destas etapas ao longo de um caminho mais feliz para conviver com o vírus. Tanto recebemos indícios que pode [ser] OK como recebemos sinais de que pode ser um pouco preocupante", disse Bennett.
A comunidade global está bastante preocupada com a chegada de Ômicron. A Organização Mundial da Saúde (OMS) levou vários meses para classificar a Delta como variante preocupante, no entanto, a nova cepa foi elevada ao mesmo nível somente dois dias após o primeiro caso ter sido confirmado.

Poderia Ômicron acabar com a variante Delta?

Segundo a teoria, se uma cepa menos virulenta se tornar dominante, mais pessoas vão se infectar, mas menos ficarão gravemente doentes.
Desta forma, o vírus, embora sendo um problema, também se tornaria parte da solução. Cada pessoa que recupera de um caso leve fica com imunidade.
Neste cenário, futuros surtos de COVID-19 colocariam menos pressão sobre os sistemas hospitalares e de saúde pública em comparação com a variante Delta.
A variante Ômicron foi detectada pela primeira vez na África do Sul em 11 de novembro, sendo que os primeiros casos foram registrados na quarta-feira (24).
Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала