Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

'Rússia é a ameaça mais aguda', afirma chefe do Estado-Maior do Reino Unido

© REUTERS / Toby MelvilleBarco taxi da empresa Uber navega ao lado do Big Ben, Londres, Reino Unido, 6 de setembro de 2021
Barco taxi da empresa Uber navega ao lado do Big Ben, Londres, Reino Unido, 6 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 27.11.2021
Nos siga no
Nick Carter, general e chefe do Estado-Maior das Forças Armadas britânicas, falou ao jornal The Telegraph dizendo que a Rússia está na sua lista de prioridades.
A Rússia é a ameaça mais aguda à segurança nacional do Reino Unido, afirmou Nick Carter, chefe do Estado-Maior britânico.

"Me tornei chefe do Exército no verão [europeu] de 2014, e estávamos discutindo na época se a ameaça era do extremismo violento ou se era uma ameaça estatal da Rússia. Nessa época, o argumento do extremismo violento ganhou por pouco. Mas depois, em 2018, tivemos o ataque à família Skripal em Salisbury e se tornou demasiado óbvio que a Rússia era a ameaça mais aguda ao nosso país", disse ele, citado na sexta-feira (26) em uma entrevista ao jornal The Telegraph.

Segundo Carter, "a Rússia é a ameaça mais aguda e gerir isso está no topo da minha lista. Está na lista de prioridades de topo do conselheiro de Segurança Nacional", atualmente Stephen Lovegrove.
Soldado do regimento britânico Scots Dragoon Guards ao lado de um tanque Challenger 2 em Basra, no sul do Iraque - Sputnik Brasil, 1920, 26.11.2021
Panorama internacional
Reino Unido enviará blindados para Alemanha 'em caso de guerra com Rússia', diz general
O general sublinhou que as ameaças relativas à Rússia e à China não são de caráter convencional.
"A forma com que as ameaças surgem hoje, não são bem uma ameaça convencional; são mais o que eu chamo de atividade na zona cinzenta, onde os adversários veem o mundo como uma luta contínua, na qual todos os instrumentos de poder podem ser usados, desde que não tragam uma guerra quente", acrescentou o militar, que em breve deixará seu posto.
Sergei Skripal, ex-oficial de inteligência russo, e sua filha, foram envenenados em março de 2018 na cidade britânica de Salisbury. Londres acredita que a Rússia teve um papel no que chamou de tentativa de assassinato, mas Moscou nega essa acusação. Sergei Lavrov, ministro das Relações Exteriores da Rússia, disse que não há evidências que incriminem o Estado russo.
Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала