Trabalhador da saúde segura seringa em ponto de vacinação contra a COVID-19 em loja de departamentos GUM de Moscou, Rússia - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Propagação e combate à COVID-19
Informações atuais sobre a dissimilação de coronavírus no Brasil e no mundo. Fique por dentro das principais notícias sobre o tema.

Sputnik V registra 80% de eficácia após 8 meses da vacinação em San Marino

© AP Photo / Andre PennerFuncionário da indústria farmacêutica da União Química segura frasco da vacina Sputnik V, no centro de controle da empresa, em Guarulhos, em São Paulo, no dia 20 de maio de 2021
Funcionário da indústria farmacêutica da União Química segura frasco da vacina Sputnik V, no centro de controle da empresa, em Guarulhos, em São Paulo, no dia 20 de maio de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 24.11.2021
Nos siga noTelegram
O chefe do Fundo Russo de Investimentos Diretos (RFPI, na sigla em russo), Kirill Dmitriev, anunciou que a vacina Sputnik V registrou uma eficácia de 80% contra a COVID-19 em San Marino no período de seis a oito meses após a injeção da segunda dose.

"A Sputnik V demonstra uma eficácia de 80% após seis a oito meses da vacinação. São dados reais fornecidos por San Marino. Em dezembro, publicaremos dados de outros países", disse o chefe do RFPI durante uma coletiva de imprensa.

A vacina, desenvolvida pelo Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya (Centro Gamaleya), com financiamento do RFPI, foi registrada na Rússia em agosto de 2020 e é uma das poucas do mundo com eficácia superior a 90% contra o vírus SARS-CoV-2.
O composto de duas doses está aprovado em mais de 70 países, da Europa, Ásia, África e América, incluindo Argentina, Bolívia, México e Venezuela, abrangendo um total de quatro bilhões de pessoas, mais da metade da população mundial.
Vladimir Putin, presidente da Rússia, durante encontro com Denis Logunov, vice-diretor do Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya, 21 de novembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 21.11.2021
Propagação e combate à COVID-19
Após revacinação, Putin se propõe como voluntário para testar versão nasal de vacina contra COVID-19
A primeira dose é baseada no adenovírus humano tipo 26 e a ​​segunda no adenovírus humano recombinante tipo 5. O intervalo entre elas é de 21 dias.
No início de fevereiro, o jornal científico britânico The Lancet publicou os resultados provisórios da terceira fase do ensaio clínico da vacina russa, confirmando segurança e eficácia de 91,6%.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала