Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

FDI: atacar Irã não seria problema para Israel, o mais difícil viria depois disso

© Foto / Indústrias Aeroespaciais de Israel/ Indústrias Militares de IsraelMíssil balístico hipersônico Rampage sendo lançado de avião de combate F-16 (imagem de arquivo)
Míssil balístico hipersônico Rampage sendo lançado de avião de combate F-16 (imagem de arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 05.11.2021
Nos siga no
Israel tem, repetidamente, levantado questões e preocupações sobre o programa nuclear iraniano, acusando a República Islâmica de visar a aquisição de armas nucleares, algo que Teerã vem negando firmemente.
O Estado judeu garantiu não deixar que isso aconteça, e que tomará as medidas necessárias para tal sem elaborar mais sobre o assunto.
Amos Yadlin, ex-chefe da Diretoria de Inteligência Militar das Forças de Defesa de Israel (FDI), explicou, em uma entrevista à rádio 103FM, que dependendo do resultado das futuras negociações sobre o retorno do Irã ao acordo nuclear de 2015, Tel Aviv poderá enfrentar a dura escolha de tomar ou não medidas contra a nação persa.
Yadlin enfatizou que os militares israelenses têm capacidade para atacar o Irã e paralisar seu programa nuclear, mas observou que o desafio mais difícil não é atingir Teerã, mas o que virá depois.
"Israel tem a capacidade militar para atacar o Irã, o problema não é o ataque, mas o que acontece depois dele [...] Há muito que considerar aqui [...] Um ataque é o último passo depois de todas as outras abordagens terem sido realizadas", disse o militar israelense.
Yadlin não falou sobre os desafios específicos que Israel enfrentaria após o ataque, mas apenas que a República Islâmica advertiu repetidamente que qualquer "erro" da parte do Estado judeu custaria caro ao país.
O ex-chefe espião das FDI sublinhou que caso os EUA falhem em chegar a um acordo com o Irã relativamente ao Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês), isso poderia forçar Tel Aviv a fazer uma escolha séria sobre Teerã e seu programa nuclear.
Recentemente, os EUA e o Irã anunciaram sua vontade em retornar à mesa de negociações, com Teerã apontando 29 de novembro como data do início de novas rodadas de conversações.
Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала