Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Nicarágua manda recado à Espanha sobre obrigação de 'respeitar' assuntos internos de Manágua

© AP Photo / Alfredo ZunigaPresidente da Nicarágua Daniel Ortega
Presidente da Nicarágua Daniel Ortega  - Sputnik Brasil, 1920, 11.08.2021
Nos siga no
Governo de Daniel Ortega divulgou um comunicado de imprensa no qual faz diversos ataques contra a Espanha, depois que o país ibérico questionou a legitimidade de suas eleições.

O comunicado de imprensa da Nicarágua dirigido ao Ministério das Relações Exteriores espanhol, divulgado nesta terça-feira (10), começa por denunciar a "inadmissível ingerência do governo do Reino de Espanha nos assuntos internos que só correspondem ao nosso país e ao nosso povo".

"Recordamos ao governo de Espanha a obrigação que tem de respeitar, como temos respeitado, e de assumir, sem demora, as formas de responder às justas reivindicações dos habitantes daquela dita península ibérica", afirma o texto.

O governo de Reconciliação e Unidade Nacional lamenta e condena a ingerência inadmissível do governo do Reino de Espanha, nos assuntos internos que só correspondem ao nosso país e ao nosso povo.

O Ministério das Relações Exteriores espanhol, por meio de nota divulgada na segunda-feira (9), questionou a legitimidade das eleições no país latino-americano e lembrou à Nicarágua a obrigação de cumprir "os compromissos internacionais adquiridos no campo dos direitos humanos", bem como seus "próprios preceitos constitucionais" e pediram a Manágua que liberasse políticos detidos no país.

© REUTERS / Mayela LopezNicaraguenses exilados na Costa Rica seguram faixa com os dizeres "Liberdade para presos políticos" durante uma marcha contra o governo do presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, no dia 18 de julho de 2021, em razão das próximas eleições de 7 de novembro
 Nicarágua manda recado à Espanha sobre obrigação de 'respeitar' assuntos internos de Manágua - Sputnik Brasil, 1920, 11.08.2021
Nicaraguenses exilados na Costa Rica seguram faixa com os dizeres "Liberdade para presos políticos" durante uma marcha contra o governo do presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, no dia 18 de julho de 2021, em razão das próximas eleições de 7 de novembro

A resposta do governo da Nicarágua não foi curta e lembrou ao Governo da Espanha as suas "graves pendências", que, como assinalam, remontam à década de 1980, "quando o seu então presidente 'socialista', Felipe González, criou os chamados Grupos Antiterroristas de Libertação (GAL) que sempre mancharam a Espanha de responsabilidade por crimes contra a humanidade, nunca investigados ou julgados".

Eles asseguram na carta que as ligações do GAL com o submundo e com grupos paramilitares "se tornaram evidentes" e que quase 40 ações terroristas foram realizadas nas quais mais de 60 pessoas foram assassinadas e feridas impunemente.

© REUTERS / Maynor ValenzuelaO candidato presidencial do partido de oposição Partido Liberal Constitucionalista, Milton Arcia, e sua companheira de chapa à vice-presidente, Maria Dolores Moncada, deixam o Conselho Supremo Eleitoral (CSE) após se inscreverem como candidatos para as eleições gerais de 7 de novembro, em Manágua, Nicarágua, 2 de agosto de 2021
 Nicarágua manda recado à Espanha sobre obrigação de 'respeitar' assuntos internos de Manágua - Sputnik Brasil, 1920, 11.08.2021
O candidato presidencial do partido de oposição Partido Liberal Constitucionalista, Milton Arcia, e sua companheira de chapa à vice-presidente, Maria Dolores Moncada, deixam o Conselho Supremo Eleitoral (CSE) após se inscreverem como candidatos para as eleições gerais de 7 de novembro, em Manágua, Nicarágua, 2 de agosto de 2021

Para a Nicarágua, "todos esses crimes de ódio e crimes contra a humanidade, classificados como terrorismo de Estado, mostram o caráter imoral das instituições espanholas, que se atrevem descaradamente a colocar coroas em suas cabeças desacreditadas, fingindo ignorar a acusação criminal de manipulação histórica de Estado que persegue, aprisiona, tortura e mata, sem qualquer autocrítica, arrependimento, justiça ou retificação".

"Diante de tanta hipocrisia e imprudência, rejeitamos todas e cada uma das palavras contidas nos apelos indizíveis, falsos e farsantes da Chancelaria Espanhola", disse a carta.

E continuaram, desafiando e acusando a Espanha a "assumir toda a sua verdadeira responsabilidade em sua feroz e brutal História Colonial e Neocolonial, bem como em seu Fascismo disfarçado de Socialismo".

A Nicarágua realiza eleições gerais em 7 de novembro. Nelas, o atual presidente Daniel Ortega busca a reeleição.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала