- Sputnik Brasil, 1920
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Verba aprovada para Ministério da Saúde é 'incompatível' com gastos na pandemia, alerta CNS

© REUTERS / Leonardo BenassattoSocorristas atendem paciente com COVID-19 em hospital de Bauru, interior de São Paulo.
Socorristas atendem paciente com COVID-19 em hospital de Bauru, interior de São Paulo. - Sputnik Brasil, 1920, 01.04.2021
Nos siga noTelegram
O Conselho Nacional de Saúde (CNS) publicou uma carta aberta nesta quinta-feira (1º) em que diz que o orçamento para a Saúde em 2021 é "incompatível" com os gastos necessários para combater a pandemia.

O Orçamento da União de 2021 foi aprovado pelo Congresso Nacional na semana passada e reserva R$ 125 bilhões para gastos com a Saúde. O texto ainda precisa ser sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro.

"O Conselho Nacional de Saúde (CNS) vem, respeitosamente, recorrer a esta carta aberta para dizer que o orçamento destinado ao financiamento das ações e serviços de saúde para o ano de 2021, aprovado em março, é incompatível com os seus custos mínimos, ainda mais ao se considerar o crescimento exponencial da pandemia da COVID-19", diz o documento.

A carta é endereçada ao presidente Jair Bolsonaro, ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e aos presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-AP), e da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

"O orçamento da Saúde foi aprovado com valores equivalentes ao do piso federal do SUS do ano de 2017 (atualizados pela inflação do período). Isto significa a retirada de cerca de R$ 60 bilhões em comparação ao valor do orçamento de 2020", acrescentou o CNS.

​O conselho ainda diz que a proposta enviada pelo governo ao Congresso "desconsiderou, de modo irreal e irresponsável", a necessidade de "compra de vacinas, kits diagnósticos e insumos".

"Mais grave ainda foi o Congresso Nacional, representante da sociedade, ter votado o Orçamento, em 25 de março deste ano, assentindo com o gravíssimo erro do governo federal, mantendo de modo fictício e irresponsável o financiamento federal do SUS no nível semelhante ao piso de 2017", escreveram.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала