Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil, 1920
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Professor: diferenças com Argentina explicam posição brasileira contra consenso no Mercosul

© Foto / Marcos Corrêa / Presidência da RepúblicaO presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, ao lado dos ministros Ernesto Araújo, das Relações Exteriores, e Paulo Guedes, da Economia, durante reunião de cúpula em comemoração aos 30 anos do Mercosul
O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, ao lado dos ministros Ernesto Araújo, das Relações Exteriores, e Paulo Guedes, da Economia, durante reunião de cúpula em comemoração aos 30 anos do Mercosul - Sputnik Brasil, 1920, 26.03.2021
Nos siga no
Nesta sexta-feira (26), os líderes do Mercosul realizaram uma cúpula virtual para celebrar mais um aniversário do bloco, que chega aos seus trinta anos com muitos desafios pela frente e uma oposição flagrante entre seus dois maiores membros.

Em discurso durante a cúpula dos 30 anos do Mercosul nesta sexta-feira (26), o presidente Jair Bolsonaro defendeu a revisão da Tarifa Externa Comum (TCE) e a redução de barreiras não tarifárias, falou em flexibilização e sobre a necessidade de ampliar a "rede de negociações comerciais extrarregionais", criticando a regra de consenso nas decisões.

Segundo o chefe de Estado brasileiro, tais medidas seriam necessárias para modernizar o bloco e recuperar participação relevante nos fluxos comerciais e econômicos. 

​Essa ideia de flexibilização, defendida também pelos atuais governos do Uruguai e do Paraguai, é vista por alguns analistas como uma ameaça à própria existência do Mercado Comum do Sul. Isso porque, ao priorizar acordos comerciais bilaterais e parcerias com Estados de outras regiões, o bloco acabaria por perder o seu sentido, com cada membro defendendo interesses individuais em detrimento dos coletivos.

"O presidente brasileiro, desde a sua eleição, tem adotado uma política externa voltada para outros parceiros, para além do aspecto regional", afirma, em declarações à Sputnik Brasil, o professor de relações internacionais William Daldegan de Freitas, da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). 

Para o especialista, as críticas de Bolsonaro estão muito pautadas pela paralisação das negociações do bloco com outros países — Canadá, Coreia do Sul, Índia, Líbano e Singapura — em abril do ano passado, quando o governo argentino resolveu concentrar esforços e atenções na crise desencadeada pela pandemia do novo coronavírus. Na ocasião, Brasil, Paraguai e Uruguai tentaram convencer os argentinos a retomarem essas atividades, mas sem sucesso. 

​Duas potências regionais, Brasil e Argentina têm tido dificuldades de entendimento nos últimos anos devido a diferenças ideológicas entre seus presidentes e à preferência dada pelo governo brasileiro à cooperação com outros países, destaca Daldegan. 

"Eu entendo que alcançar o consenso em grupos menores tende, ao menos teoricamente, ser menos difícil do que em grandes grupos. Afinal de contas, se a gente olha para o Mercosul, são quatro parceiros. Então, haveria uma expectativa de que uma maior afinidade pudesse ser construída entre esses parceiros. E é algo que a gente tem notado ser mais difícil, sobretudo com essa política externa que defende mais posições unilaterais ou bilaterais, um certo distanciamento do aspecto regional e uma série de outros elementos que têm sido questionados sobre a capacidade de o Brasil de fato liderar a região."

A liderança regional do Brasil, muito presente desde o início deste século até meados da década passada, deixou de ser um fato indiscutível, segundo o professor, dificultando ainda mais essas relações. 

​Pensado como uma forma de complementar as economias regionais, o Mercosul, ao longo do tempo, acabou proporcionando uma competitividade entre setores produtivos. E o Brasil, em uma posição de superávit em relação aos seus parceiros comerciais, ao propor uma simples redução tarifária, arrisca prejudicar setores estratégicos da economia argentina, gerando sérias preocupações em Buenos Aires.

"Por que, então, Uruguai e Paraguai estariam posicionados a favor do Brasil? Muitos alegam, e eu acho que é uma visão simplista, uma maior afinidade na questão dos governos. Mas, se a gente olhar mais a fundo, mesmo com uma revisão, Paraguai e Uruguai, a não ser que fossem mudadas as listas [de exceções] e o tratamento diferenciado que eles recebem, eles teriam algum ganho ocasionado por isso. Seja diplomático, seja na própria revisão dessa Tarifa Externa Comum."

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала