Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Variante sul-africana do coronavírus pode oferecer anticorpos contra outras cepas, dizem cientistas

© AP Photo / Jerome DelayTécnico de laboratório estuda amostras de sangue de voluntários que tomaram a vacina contra a COVID-19 da Johnson & Johnson em Groblersdal, na África do Sul
Técnico de laboratório estuda amostras de sangue de voluntários que tomaram a vacina contra a COVID-19 da Johnson & Johnson em Groblersdal, na África do Sul - Sputnik Brasil, 1920, 03.03.2021
Nos siga no
Uma pesquisa de cientistas sul-africanos sugere que o desencadeamento de anticorpos provocado pela exposição à variante do coronavírus dominante no país pode prevenir a infecção por outras mutações do SARS-CoV-2.

As descobertas feitas em estudos de laboratório oferecem esperança de que as vacinas contra COVID-19 baseadas na variante 501Y.V2, identificada pela primeira vez no ano passado, possam proteger contra múltiplas cepas que circulam em diferentes partes do mundo. A variante mais contagiosa levou a uma segunda onda de infecções na África do Sul, que atingiu o pico em janeiro e acredita-se que se espalhou para muitos outros países da África e outros continentes.

Alex Sigal, do Instituto de Pesquisa de Saúde da África, disse em uma entrevista coletiva que as vacinas projetadas contra a variante 501Y.V2 "podem ter proteção cruzada para outras variantes [...] isso dá uma ideia de como o problema com as variantes pode ser resolvido".

Penny Moore, professora do Instituto Nacional de Doenças Transmissíveis, disse que a resposta dos anticorpos da variante 501Y.V2 foi reduzida em apenas três vezes contra o vírus da primeira onda, enquanto a resposta ao vírus da primeira onda foi reduzida em nove vezes quando aplicada à 501Y.V2.

"Não é que os anticorpos que são desencadeados por 501Y.V2 sejam de alguma forma mágicos, há uma queda [...] mas ao contrário dos anticorpos desencadeados pela variante original, eles parecem, de alguma forma, ter um pouco mais de amplitude", resumiu ela.

Salim Abdool Karim, conselheiro governamental para a COVID-19, disse que os principais fabricantes de vacinas, incluindo Pfizer, AstraZeneca e Johnson & Johnson, já estavam fabricando vacinas com base na variante sul-africana. O laboratório da Moderna também já teria adaptado sua vacina.

Ele previu que até o final de 2021 a maioria dos fabricantes terá adaptado suas vacinas, "não porque eles estejam especificamente preocupados com o vírus vindo da África do Sul, mas porque as principais mutações na 501Y.V2 também estão presentes em muitas outras variantes".

A África do Sul registrou, de longe, o maior número de infecções e mortes por coronavírus no continente africano, com 1,5 milhão de casos e mais de 50 mil mortes até o momento.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала