- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Após inspeção, Anvisa afirma que União Química não está produzindo Sputnik V sem autorização

© Foto / Marcelo Camargo/Agência BrasilFachada do edifício sede da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).
Fachada do edifício sede da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) investigou nesta quarta-feira (27) rumores de que a União Química estaria fabricando insumos para a vacina russa Sputnik V no Brasil.

O imunizante ainda não foi liberado para a fase 3 no país nem para uso emergencial. A informação foi publicada em uma nota oficial no site da Anvisa.

A agência conduziu uma inspeção na fábrica Bthek em Brasília com a Vigilância Sanitária do Distrito Federal e concluiu que a vacina pronta não está sendo fabricada pela farmacêutica.

"A fábrica da União Química não está produzindo insumos farmacêuticos ativos em escala industrial da vacina Sputnik V para uso humano", escreveu a Anvisa.

Segundo a agência, verificou-se a produção do IFA (insumo farmacêutico ativo), parte do processo de transferência de tecnologia.

"A produção que vem sendo realizada se destina somente à produção de lotes de desenvolvimento de insumos, como parte do processo de transferência de tecnologia formalmente estabelecido em contrato entre as partes", afirmou.
© AP Photo / Eraldo PeresLogo da vacina russa contra COVID-19, Sputnik V, em laboratório da União Química que produz o imunizante em Brasília, 25 de janeiro de 2021
Após inspeção, Anvisa afirma que União Química não está produzindo Sputnik V sem autorização - Sputnik Brasil
Logo da vacina russa contra COVID-19, Sputnik V, em laboratório da União Química que produz o imunizante em Brasília, 25 de janeiro de 2021

A Anvisa ressalta que a inspeção não foi para certificar boas práticas de fabricação, um dos estágios necessários para autorizar o uso emergencial de uma vacina no Brasil.

"Esta inspeção não teve como objetivo a certificação de Boas Práticas de Fabricação. A empresa solicitará a inspeção de licenciamento e certificação das condições técnico-operacionais assim que forem concluídas as adequações necessárias da área de fabricação", completou.

Nesta terça-feira (26), o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que a União Química Farmacêutica S/A se manifeste sobre as informações prestadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em relação ao pedido de uso emergencial da vacina Sputnik V.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала