Observadores: último ataque de Israel contra leste da Síria matou 57

© Sputnik / Mikhail Alaeddin  / Abrir o banco de imagensSoldado sírio em Aleppo libertada
Soldado sírio em Aleppo libertada - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos, os ataques aéreos de Israel, realizados na quarta-feira (13) no leste do país árabe, mataram 57 integrantes das forças governamentais sírias e aliados iranianos.

Realizados na quarta-feira (13), os ataques noturnos israelenses contra depósitos de armas e posições militares na Síria mataram 14 soldados sírios, 16 combatentes de milícia iraquiana e 11 membros afegãos da Brigada Fatimid, que é pró-Irã. Sobre os restantes 16 mortos, ainda nada se sabe sobre suas nacionalidades, informa o The Guardian.

"Este é o número de mortes mais elevado resultante de ataques de Israel à Síria", declarou Rami Abdul Rahman, diretor do Observatório Sírio de Direitos Humanos, citado pela mídia britânica.

Na quarta-feira (13), a agência estatal síria SANA relatou que "o inimigo israelense conduziu ataque aéreo na cidade de Deir ez-Zor e na região de Al-Bukamal", e acrescentou que "os resultados da agressão estão sendo verificados". Já do lado de Israel, um porta-voz do Exército israelense se recusou a comentar o assunto.

© AP Photo / Ariel SchalitSoldados israelenses preparam seus tanques Merkava para ação nas Colinas de Golã, na fronteira entre Israel e Síria, enquanto região vive tensões após confrontos
Observadores: último ataque de Israel contra leste da Síria matou 57 - Sputnik Brasil
Soldados israelenses preparam seus tanques Merkava para ação nas Colinas de Golã, na fronteira entre Israel e Síria, enquanto região vive tensões após confrontos

Faz menos de uma semana desde a última onda de ataques israelenses na Síria. Na quinta-feira (7), Israel lançou ataque aéreo a posições no sul e na periferia sul de Damasco, matando três combatentes pró-Irã.

Na verdade, Israel realiza ataques frequentes na Síria, principalmente contra alvos ligados ao Irã, justificando ser uma tentativa de impedir que o seu arqui-inimigo consolide um ponto de apoio em sua fronteira norte.

O governo de Donald Trump, que deverá ceder lugar a Joe Biden em 20 de janeiro, apoiou fortemente o governo de Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro israelense.

"Nos últimos dias do governo Trump, Netanyahu está tentando causar o máximo de danos possíveis aos esforços do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica [IRGC, na sigla em inglês] na Síria antes que Biden tome posse", afirmou Nicholas Heras, do Instituto de Estudos da Guerra, citado pelo jornal.
© AP Photo / Manuel Balce CenetaPresidente dos EUA, Donald Trump, ao lado do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu após a assinatura do documento que reconhece a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã
Observadores: último ataque de Israel contra leste da Síria matou 57 - Sputnik Brasil
Presidente dos EUA, Donald Trump, ao lado do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu após a assinatura do documento que reconhece a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã

Israel tem conduzido centenas de ataques aéreos e com mísseis contra a Síria desde o início da guerra civil no país em 2011, tendo como alvo as forças iranianas e libanesas do grupo Hezbollah, bem como as forças do governo sírio.

Vale relembrar que, até hoje, a guerra na Síria resultou na morte de mais de 387 mil pessoas e deslocou milhões de sírios pelo mundo.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала