Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Washington pode colocar 117 empresas de aviação chinesas e russas na 'lista negra'

© Sputnik / Ramil SitdikovMotor turboalimentado russo-francês com mistura de fluxos PowerJet SaM146 (SM 146) apresentado na Exposição Internacional de Aviação e Espaço MAKS 2019 em Zhukovsky, região de Moscou
Motor turboalimentado russo-francês com mistura de fluxos PowerJet SaM146 (SM 146) apresentado na Exposição Internacional de Aviação e Espaço MAKS 2019 em Zhukovsky, região de Moscou - Sputnik Brasil
Nos siga no
Governo Trump está perto de declarar que 89 empresas chinesas não poderão comprar uma variedade de produtos e tecnologia dos EUA.

Segundo informações publicadas pela Reuters, o governo Trump quer punir 89 empresas de aviação chinesas e diversas outras companhias por supostas ligações com os militares chineses.

A "lista negra" dos EUA também faz referência a 28 entidades russas, incluindo a Irkut, cujo objetivo é o ingresso no mercado de Boeing com o desenvolvimento do jato MC-21.

© Foto / Assessoria de imprensa da corporação IrkutOleg Kononenko e Roman Taskaev, pilotos que testaram o novo avião russo MC-21 em 28 de maio de 2017, são vistos no aeródromo da Fábrica de Aviação de Irkutsk
Washington pode colocar 117 empresas de aviação chinesas e russas na 'lista negra' - Sputnik Brasil
Oleg Kononenko e Roman Taskaev, pilotos que testaram o novo avião russo MC-21 em 28 de maio de 2017, são vistos no aeródromo da Fábrica de Aviação de Irkutsk
A empresas incluídas na lista podem sofrer uma série de restrições para importar produtos dos EUA.

O Departamento de Comércio norte-americano disse que a capacidade de controlar o fluxo de tecnologia dos EUA para as empresas listadas era "vital para proteger os interesses de segurança nacional do país".

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, disse que a China "se opõe firmemente à supressão não provocada das empresas chinesas pelos Estados Unidos".

Firmas como Commercial Aircraft Corp of China Ltd (COMAC), Aviation Industry Corporation of China (AVIC) e outras foram adicionadas à lista que identifica as empresas chinesas e russas como "usuários com finalidade militar".

De acordo com o ex-funcionário do Departamento de Comércio, Kevin Wolf, a lista pode ser modificada antes de ser liberada pelo Registro Federal em meados de dezembro, quando o Colégio Eleitoral vota para um novo presidente.

© AP Photo / Michel EulerChefe executivo da Boeing, Dennis Muilenburg, junto de um avião Boeing KC-46
Washington pode colocar 117 empresas de aviação chinesas e russas na 'lista negra' - Sputnik Brasil
Chefe executivo da Boeing, Dennis Muilenburg, junto de um avião Boeing KC-46
Porém, "apenas criar uma lista e preenchê-la é um ato provocativo" que pode desencadear retaliação de Pequim, disse um ex-funcionário não identificado dos EUA e citado pela Reuters.

Para ele, a listagem também pode ser um aceno aos concorrentes europeus isentos das restrições aos mercados dos EUA.

A notícia a respeito da lista acontece em um momento delicado para a indústria aeroespacial norte-americana. A Boeing busca a aprovação chinesa para seu 737 MAX, depois que ele foi aprovado pelos reguladores dos EUA na semana passada.

Em março de 2019, a China foi a primeira nação a suspender o jato após dois acidentes fatais. A Agência de Segurança da Aviação da UE (EASA) também permitiu que o avião voltasse a voar em meados de outubro, depois que os reguladores declararam que as mudanças necessárias haviam sido feitas.

A China foi o primeiro país a pousar a aeronave em março do ano passado, depois de dois acidentes mortais de avião, matando 346 pessoas.

© AP Photo / Ebrahim NorooziEstudantes reunidos na Universidade Amri Kabir, em Teerã, para prestar homenagem às vítimas do Boeing 737-800 ucraniano, em 11 de janeiro de 2020.
Estudantes reunidos na Universidade Amri Kabir, em Teerã, para prestar homenagem às vítimas do Boeing 737-800 ucraniano, em 11 de janeiro de 2020 - Sputnik Brasil
1/6
Estudantes reunidos na Universidade Amri Kabir, em Teerã, para prestar homenagem às vítimas do Boeing 737-800 ucraniano, em 11 de janeiro de 2020.
© AP Photo / Ebrahim NorooziNo local do acidente do Boeing 737-800, perto do Aeroporto Internacional Imã Khomeini em Teerã.
No local do acidente do Boeing 737-800, perto do Aeroporto Internacional Imã Khomeini em Teerã - Sputnik Brasil
2/6
No local do acidente do Boeing 737-800, perto do Aeroporto Internacional Imã Khomeini em Teerã.
CC BY 2.0 / Paul Evans / Kuwait Airways Boeing 777-369 9K-AOHBoeing 777 da companhia Kuwait Airways (imagem de arquivo).
Boeing 777 da companhia Kuwait Airways (imagem de arquivo) - Sputnik Brasil
3/6
Boeing 777 da companhia Kuwait Airways (imagem de arquivo).
© Foto / Ministério para Situções de Emergência da Rússia / Abrir o banco de imagensDestroços do Boeing 737-800 que caiui no aeroporto de Rostov-no-Don, Rússia, 19 de março de 2016
Destroços do Boeing 737-800 que caiui no aeroporto de Rostov-no-Don, Rússia, 19 de março de 2016 - Sputnik Brasil
4/6
Destroços do Boeing 737-800 que caiui no aeroporto de Rostov-no-Don, Rússia, 19 de março de 2016
© Sputnik / Andrei SteninNo local da queda do avião da Malaysia Airlines em Donetsk, no leste da Ucrânia
Tragédia do Boeing 777 perto de Shahtersk, Donetsk  - Sputnik Brasil
5/6
No local da queda do avião da Malaysia Airlines em Donetsk, no leste da Ucrânia
© AP Photo / Nesta foto de 5 de agosto, 2014, pesquisadores australianos, malaios e holandeses examinam destroços do aeronave abatido da Malásia Airlines, perto da aldeia de Rossipne, na região de Donetsk, leste da Ucrânia. A equipe holandesa que investiga a derruba do avião, disse na terça-feira, 9 de setembro, 2014 , o acidente foi provavelmente causado pelo avião ser atingido por vários "objetos de alta energia provenientes do exterior da aeronave." O relatório preliminar publicado em 9 de Setembro, 2014 pelo Conselho de Segurança Holandês não afirma que o Boeing 777 foi abatido por um míssil terra-ar, mas parece que tais são suas conclusões.
Operação de busca do Boeing 777 da Malaysia Airlines - Sputnik Brasil
6/6
Nesta foto de 5 de agosto, 2014, pesquisadores australianos, malaios e holandeses examinam destroços do aeronave abatido da Malásia Airlines, perto da aldeia de Rossipne, na região de Donetsk, leste da Ucrânia. A equipe holandesa que investiga a derruba do avião, disse na terça-feira, 9 de setembro, 2014 , o acidente foi provavelmente causado pelo avião ser atingido por vários "objetos de alta energia provenientes do exterior da aeronave." O relatório preliminar publicado em 9 de Setembro, 2014 pelo Conselho de Segurança Holandês não afirma que o Boeing 777 foi abatido por um míssil terra-ar, mas parece que tais são suas conclusões.
1/6
Estudantes reunidos na Universidade Amri Kabir, em Teerã, para prestar homenagem às vítimas do Boeing 737-800 ucraniano, em 11 de janeiro de 2020.
2/6
No local do acidente do Boeing 737-800, perto do Aeroporto Internacional Imã Khomeini em Teerã.
3/6
Boeing 777 da companhia Kuwait Airways (imagem de arquivo).
4/6
Destroços do Boeing 737-800 que caiui no aeroporto de Rostov-no-Don, Rússia, 19 de março de 2016
5/6
No local da queda do avião da Malaysia Airlines em Donetsk, no leste da Ucrânia
6/6
Nesta foto de 5 de agosto, 2014, pesquisadores australianos, malaios e holandeses examinam destroços do aeronave abatido da Malásia Airlines, perto da aldeia de Rossipne, na região de Donetsk, leste da Ucrânia. A equipe holandesa que investiga a derruba do avião, disse na terça-feira, 9 de setembro, 2014 , o acidente foi provavelmente causado pelo avião ser atingido por vários "objetos de alta energia provenientes do exterior da aeronave." O relatório preliminar publicado em 9 de Setembro, 2014 pelo Conselho de Segurança Holandês não afirma que o Boeing 777 foi abatido por um míssil terra-ar, mas parece que tais são suas conclusões.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала