Fraquezas impedem Marinha dos EUA de competir no mar do Sul da China, diz especialista

© REUTERS / Danny Kelley/Cortesia da Marinha dos EUADestróier USS Wayne E. Meyer, da classe Arleigh Burke, no mar do Sul da China (foto de arquivo)
Destróier USS Wayne E. Meyer, da classe Arleigh Burke, no mar do Sul da China (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Apesar de as forças norte-americanas manterem sua presença no mar do Sul da China, analistas acreditam que o país não esteja em condições de competir com as atuais grandes potências.

De acordo com analista do Instituto Hudson, EUA, os norte-americanos estão mal equipados e não estão prontos para qualquer competição, já que os EUA perderam espaço entre as potências, principalmente para a China, que elevou sua capacidade militar, cita o portal The Epoch Times.

Para Seth Cropsey, membro sênior do Instituto Hudson, a China se tornou uma grande ameaça, além disso, ele afirma que os chineses não se preocupam com um possível conflito com os norte-americanos e que, por isso, qualquer conflito na região estratégica do mar do Sul da China deve ser "curto, intenso e decisivo".

© AP Photo / Bullit MarquezPorta-aviões norte-americano Theodore Roosevelt no mar do Sul da China
Fraquezas impedem Marinha dos EUA de competir no mar do Sul da China, diz especialista - Sputnik Brasil
Porta-aviões norte-americano Theodore Roosevelt no mar do Sul da China

Em um cenário como este, os EUA apenas teriam chance se tivessem uma inteligência, vigilância, reconhecimento e aquisição de alvos superiores aos chineses, entretanto, essas são as fraquezas e deficiências dos EUA, ressalta.

O analista fez questão de enfatizar que a inteligência naval dos EUA, bem como a vigilância, a coordenação, o direcionamento e reconhecimento, representam uma grande fraqueza para a Marinha norte-americana.

Outra fraqueza estaria ligada com o programa de drones de vigilância que utilizam o sistema Global Hawk, já que apenas 20 drones estão operacionais, e não os 68 que haviam sido prometidos, o que poderia comprometer a eficiência do programa utilizado, para cobrir o mar do Sul da China e áreas no Oriente Médio, em missões da OTAN.

"A compra dos MQ-4C é incrivelmente insuficiente [...] Uma frota sem olhos não pode combater", completou Cropsey.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала