Indústria aeronáutica russa pode se aproveitar da crise da Boeing?

© REUTERS / Lindsey WassonUma foto aérea mostrando a aeronave Boeing 737 MAX nas instalações da Boeing no Aeroporto Internacional Grant County, estado de Washington, EUA
Uma foto aérea mostrando a aeronave Boeing 737 MAX nas instalações da Boeing no Aeroporto Internacional Grant County, estado de Washington, EUA - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
As decrescentes vendas do Boeing 737 depois de desastres com o modelo podem permitir o aumento da quota de mercado de aeronaves russas.

A principal razão para a queda da multinacional aeronáutica dos EUA foi a crise do Boeing 737 MAX, informou o portal Business Insider, referindo-se a relatórios sobre as vendas de aeronaves de passageiros. O avião sofreu duas catástrofes, na Indonésia e na Etiópia.

No final de outubro, a Boeing tinha encomendas de 15.136 aviões da família 737. No mesmo período a Airbus havia assinado contratos para 15.193 aeronaves da família A320, segundo a mídia.

No entanto, não é apenas a Airbus que pode se beneficiar da queda nas vendas do fabricante americano. Esta situação aumenta as oportunidades para o MC-21 russo, que poderia competir com o Boeing 737 no futuro, diz Oleg Smirnov, piloto honorário da URSS e presidente da Fundação de Desenvolvimento de Infraestruturas do Transporte Aéreo da Rússia, em declarações ao diário Vzglyad.

© Foto / Assessoria de imprensa da corporação IrkutMC-21 antes de levantar o seu primeiro voo, em 28 de maio de 2017
Indústria aeronáutica russa pode se aproveitar da crise da Boeing? - Sputnik Brasil
MC-21 antes de levantar o seu primeiro voo, em 28 de maio de 2017

Smirnov salienta que o uso extensivo de materiais compostos pode ajudar o MC-21 a tornar-se um verdadeiro concorrente da Boeing.

"Quanto ao conforto dos passageiros, o MC-21 até vence o Boeing porque será o mais largo da classe de aviões com fuselagem estreita", diz o especialista.

Segundo Smirnov, "haverá espaço para passageiros, cotovelos e joelhos" dentro da aeronave. Outra das vantagens é o consumo de combustível.

"Os modernos motores russos PD-14, que estão prestes a entrar em produção em série, são mais baratos que seus análogos da Boeing. Até agora, parece que tudo isso pode dar sérias vantagens competitivas."
Smirnov também observa que o MC-21 tem mais elementos de produção nacional, cerca de 80%, segundo os projetistas. Isso é uma muito menor participação de componentes ocidentais do que no SSJ 100 (Sukhoi Superjet).

© Sputnik / Mikhail Voskresensky / Abrir o banco de imagensAviões Sukhoi Superjet 100 na seção de montagem final de aviões Sukhoi Superjet 100 na fábrica Yury Gagarin em Komsomolsk-no-Amur
Indústria aeronáutica russa pode se aproveitar da crise da Boeing? - Sputnik Brasil
Aviões Sukhoi Superjet 100 na seção de montagem final de aviões Sukhoi Superjet 100 na fábrica Yury Gagarin em Komsomolsk-no-Amur

No entanto, o ex-piloto assinala que neste momento estas são apenas suposições.

"O MC-21 ainda não está certificado [...] A certificação vai mostrar os números reais sobre o peso da aeronave, seu alcance de voo, velocidade, consumo de querosene e todos os outros parâmetros. Então será possível discutir suas vantagens e desvantagens", argumenta Smirnov.

É verdade que as condições para os fabricantes de aviões russos estão mais favoráveis, mas a distribuição de forças no mercado mundial não vai mudar drasticamente, acredita Vladimir Popov, vice-editor-chefe da revista Aviapanorama.

"A Boeing pode apanhar a Airbus em qualquer momento e recuperar as posições perdidas [...] Eles estão trabalhando, por isso não se pode dizer que estejam em um beco sem saída. Os aviões serão melhorados e os erros serão tidos em conta. A Boeing tem sido e continuará sendo uma referência para toda a indústria aeronáutica mundial", explica Popov.

No entanto, o nível geral do setor da aviação, especialmente da aviação civil, é quase o mesmo para todos os fabricantes, incluindo a Rússia.

"Em geral, todas as tecnologias são muito semelhantes. Isso se refere à aerodinâmica, motores e outros parâmetros. Aquilo em que estamos competindo é no comprimento das aeronaves, no conforto e nos níveis de ruído", conclui Popov.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала