Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Senador americano defende venda de caças F-35 para Turquia apesar da compra de S-400

CC0 / / Caça norte-americano F-35 Lightning II
Caça norte-americano F-35 Lightning II - Sputnik Brasil
Nos siga no
O senador da Carolina do Sul, Lindsey Graham, afirmou que apoiaria tentativa de regresso da Turquia ao programa F-35, relevando à mídia turca que gostaria de ver o aliado da OTAN recuperar o acesso ao avião de combate avançado.

Washington expulsou Ancara do programa de caças F-35 neste inverno devido ao início do recebimento dos sistemas de defesa aérea S-400 de fabricação russa, que o Pentágono afirmou repetidamente que poderiam comprometer a segurança do avançado avião de quinta geração da Lockheed Martin.

"Espero que possamos ter uma relação mais estratégica com a Turquia, apoiá-la, tentar fazê-la voltar ao programa F-35, talvez falar sobre um acordo de livre comércio, porque a Turquia é uma aliada muito importante, não só quando se trata da Síria, mas de toda a região", ponderou Graham, falando a repórteres após uma reunião com o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan.

Graham já havia se manifestado contra possíveis sanções dos EUA contra a Turquia pela compra dos sistemas de mísseis S-400 da Rússia sob o Ato para a Contenção de Adversários Através de Sanções (CAATSA, na sigla em inglês), uma lei de 2017 que ele apoiou com o objetivo de conter as exportações militares russas.

Tensões de Washington e Ancara

Os Estados Unidos cancelaram formalmente o fornecimento de caças F-35 à Turquia em julho devido ao recebimento das encomendas turcas do primeiro lote de S-400, de um acordo avaliado em US$ 2,5 bilhões e assinado por Moscou e Ancara no final de 2017.

A Turquia era uma parceira fundamental no programa F-35, entrando como fornecedora de cerca de 900 componentes e gastando mais de um bilhão de dólares no desenvolvimento do caça.

A Turquia planejava comprar mais de 100-120 aviões de combate avançados, cujo custo de produção varia de US$ 90 a US$ 115 milhões cada um.

Acredita-se que a decisão da administração Trump de expulsar a Turquia do programa tenha custado aos EUA cerca de 500 a 600 milhões de dólares em gastos de engenharia para poder construir as peças tradicionalmente manuseadas pelos fornecedores turcos.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала