Por que Israel não quer guerra entre EUA e Irã?

© REUTERS / Jonathan ErnstO presidente dos EUA, Donald Trump (E) e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, falando com repórteres antes de sua reunião no Hotel King David, em Jerusalém, em 22 de maio de 2017
O presidente dos EUA, Donald Trump (E) e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, falando com repórteres antes de sua reunião no Hotel King David, em Jerusalém, em 22 de maio de 2017 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O governo do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu apoiaria uma "súbita implosão do regime iraniano", mas "não ao preço de uma guerra", por isso Tel Aviv não quer um conflito militar entre os EUA e o Irã, explica o analista Tom Rogan.

Em seu artigo para o Washington Examiner, Tom Rogan explica que a estratégia de segurança de Tel Aviv em relação ao Irã é baseada em fazê-lo entender constantemente a "superioridade dissuasiva israelense". "Israel se assegura que o Irã sabe que qualquer ameaça crítica que represente para Israel levará a uma ameaça israelense muito maior para o Irã", disse o analista.

Por outro lado, o "establishment" de segurança israelense reconhece que "uma luta violenta" contra Teerã implicaria "enormes riscos", sublinha o autor.

Nesse sentido, o analista adverte que, em caso de uma guerra entre os EUA e o Irã, os israelenses enfrentariam "um bombardeio de mísseis balísticos iranianos, possivelmente (embora pouco provável) armados com ogivas habilitadas para agentes químicos".

Um soldado israelense guarda um sistema de defesa aérea Iron Dome (Cúpula de Ferro) implantado nas colinas de Golã, perto da fronteira com a Síria. - Sputnik Brasil
Tel-Aviv teme que Israel seja atingido no fogo cruzado se EUA e Irã forem à guerra
Além disso, se Teerã "se envolver em uma guerra com os EUA", grupos pró-iranianos no Líbano e em outros lugares "fariam o mesmo contra Israel", o que incluiria "um ataque de foguetes em grande escala do grupo Hezbollah libanês", bem como ataques contra funcionários do governo israelense e civis "em todo o mundo", afirmou Rogan, resumindo que isso "significaria um caos sangrento".

Finalmente, o especialista sublinha que os governos israelenses "estão vinculados por um mandato democrático para proteger o povo de Israel e sua prosperidade", enquanto também dependem de coalizões.

Neste contexto, "embora a política israelense se unifique contra o Irã em uma guerra", qualquer "esforço injustificado" de um primeiro-ministro israelense para se arriscar a uma guerra com Teerã poria seu governo em risco. Em meio a isso, a construção de coalizões "raramente é uma tarefa fácil em Israel", sublinhou Rogan, lembrando que "Netanyahu ainda não construiu seu governo depois das eleições de abril".

As tensões na região se agravaram depois que os EUA decidiram reforçar no golfo Pérsico seu contingente militar, enviando ali vários navios de guerra e bombardeiros estratégicos B-52 com o objetivo de enviar "uma mensagem clara e inequívoca" a Teerã.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала