EUA enfrentarão país 'duro de matar' na América Latina, diz americanista

Nos siga noTelegram
A operação dos EUA na América Latina poderia ter uma "chance histórica" de aumentar a aprovação do presidente norte-americano Donald Trump na véspera das eleições, escreveu The Wall Street Journal.

Recentemente, o colunista do The Wall Street Journal, Walter Russell Mead, escreveu que a derrota do presidente da Venezuela Nicolás Maduro teria sido um grande sucesso para os EUA, mas o apoio da Rússia à Venezuela atrapalhou o plano estadunidense.

Militares venezuelanos na fronteira com a Colômbia (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
General revela como invasão militar poderia entrar na Venezuela
O cientista político americanista da Academia de Ciência da Rússia, Konstantin Blokhin, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, disse acreditar que a derrota de Maduro poderia ter sido apresentada pela administração Trump como sua maior conquista da política externa, recordando que houve "vitórias hipotéticas" dos EUA sobre Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia e em uma série de países) ou a última cúpula com o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un.

"Golpe na Venezuela seria recebido pelos Estados Unidos como um 'princípio dominó', vindo a ser esperada uma sequência com Cuba, Nicarágua etc. Mas dificilmente isso aconteceria, porque, mesmo não falando sobre Venezuela, os cubanos, por exemplo, pode-se dizer que, a um nível genético, já se acostumaram com uma vida de sanções e de pressão inacreditável dos EUA. Cuba é [um país] 'duro de matar' para EUA."

O americanista reforça que as nações da "América latina, veem que a Rússia e a China se mostram interessadas no continente e concluem que não estão 'abandonadas' à mercê dos EUA e que elas não são mais 'quintal' dos Estados Unidos".

Presidente dos EUA, Donald Trump em frente à logo da OTAN. - Sputnik Brasil
EUA ameaçam 'cenário sírio' em Cuba e Venezuela, escreve jornal americano
O que, para o cientista político, significa apoio moral da Rússia. Blokhin sublinhou que a "política de ultimatos" norte-americana vai somente afastar América Latrina dos EUA.

Na quarta-feira (17), o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, anunciou que, a partir do dia 2 de maio, vai ser anulada uma antiga proibição a ações civis de cidadãos norte-americanos contra empresas estrangeiras que usam propriedades confiscadas pelo governo cubano desde a revolução de 1959 de Fidel castro.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала