Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Israel expulsa diretor de ONG de direitos humanos

© AP Photo / Gali Tibbon/Pool Israeli Prime Minister Benjamin Netanyahu chairs the weekly cabinet meeting at the Prime Minister's office in Jerusalem, Sunday, April 15, 2018
Israeli Prime Minister Benjamin Netanyahu chairs the weekly cabinet meeting at the Prime Minister's office in Jerusalem, Sunday, April 15, 2018 - Sputnik Brasil
Nos siga no
Um tribunal israelense ordenou a deportação do diretor local da Human Rights Watch nesta terça-feira (16) e determinou que ele deixe o país em duas semanas.

O Tribunal Distrital de Jerusalém rejeitou um apelo de Omar Shakir para permanecer no país, citando seu apoio contínuo aos boicotes a Israel durante sua estadia no país.

Israel promulgou uma lei em 2017 que impede a entrada de qualquer estrangeiro que "conscientemente emite uma chamada pública para boicotar Israel". A decisão de terça-feira foi a primeira vez que a lei foi aplicada a alguém que já residia no país.

Shakir, um cidadão dos EUA, trabalha como diretor de Israel e Palestina do grupo sediado em Nova York desde outubro de 2016.

O ministro do Interior de Israel ordenou a deportação de Shakir em maio de 2018, chamando-o de "ativista do boicote".

Jair Bolsonaro e Benjamin Netanyahu durante encontro no Rio de Janeiro - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Bolsonaro recua e diz que perdão ao Holocausto não teve 'contexto histórico'
O tribunal disse que Shakir "continua suas ações publicamente para promover um boicote contra Israel, mas não está nos palcos em conferências ou em painéis de universidades, e sim através da divulgação de suas chamadas para promover o boicote principalmente através de sua conta no Twitter e por outros meios".

A corte também citou a publicação de Shakir no Twitter em que o diretor da Human Rights Watch apoia a decisão da Airbnd de retirar de sua plataforma anúncios de imóveis em assentamentos israelenses na Cisjordânia.

A Airbnb posteriormente recuou dessa decisão.

A Human Rights Watch disse que nem a organização nem Shakir promovem boicotes a Israel, mas pediu que as empresas parem de operar nos assentamentos da Cisjordânia porque "se beneficiam e contribuem para graves violações do Direito Internacional Humanitário".

Israel capturou a Cisjordânia, junto com Jerusalém Oriental e a Faixa de Gaza, na guerra de 1967 no Oriente Médio. Os palestinos buscam esses territórios para um futuro estado. A maior parte da comunidade internacional considera os assentamentos israelenses na Cisjordânia ilegais sob as leis internacionais.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала