Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Katie Bouman: saiba quem é a cientista que tornou possível a 1ª foto do buraco negro

© Foto / Reprodução / FacebookCientista Katie Bouman, uma das responsáveis pela primeira foto de um buraco negro
Cientista Katie Bouman, uma das responsáveis pela primeira foto de um buraco negro - Sputnik Brasil
Nos siga no
Anônima para o público há poucos dias, uma cientista da computação norte-americana chamada Katie Bouman se tornou uma sensação da noite para o dia devido ao seu papel no desenvolvimento de um algoritmo de computador que permitiu aos pesquisadores tirar a primeira foto do mundo de um buraco negro.

"Estou tão animada que finalmente conseguimos compartilhar o que temos trabalhado no ano passado!", escreveu Bouman, de 29 anos, pesquisadora de pós-doutorado do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian, na sua conta do Facebook na quarta-feira após a publicação da imagem.

O termo "buraco negro" refere-se a um ponto no espaço onde a matéria é tão comprimida que cria um campo de gravidade do qual até mesmo a luz não pode escapar. O enorme buraco negro na foto divulgado na quarta-feira está a 50 milhões de anos-luz de distância, no centro de uma galáxia conhecida como M87.

Embora a existência de buracos negros seja conhecida há muito tempo, o fenômeno mostrou-se impossível de ser testemunhado.

Imagem do buraco negro no centro da galáxia M87, captada pelo projeto Event Horizon Telescope (Telescópio de Horizonte de Eventos) - Sputnik Brasil
Einstein deduziu? 1ª foto de buraco negro confirma teoria da relatividade

Em 2016, Bouman desenvolveu um algoritmo chamado CHIRP para filtrar uma verdadeira montanha de dados recolhidos pelo telescópio Event Horizon em todo o mundo para criar uma imagem.

O volume de dados — quatro petabytes (4 milhões de bilhões de bytes) — estava contido em uma montanha de discos rígidos que pesavam centenas de quilos e tinham que ser transportados fisicamente para o Observatório Haystack em Westford, operado pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT).

Para garantir a precisão da imagem, o Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian, operado pela Universidade de Harvard, forneceu os dados a quatro equipes diferentes. Cada equipe usou de forma independente o algoritmo para obter uma imagem.

Após um mês de trabalho, os quatro grupos apresentaram seus resultados para as outras equipes.

"Esse foi o momento mais feliz que já tive [quando] vi que todas as outras equipes tinham imagens muito semelhantes, com a metade inferior mais brilhante do que a metade superior. Foi incrível ver todo mundo entender isso", declarou Bouman ao The Wall Street Journal.

"Nenhum algoritmo ou pessoa criou essa imagem", escreveu Bouman, que no outono começará a trabalhar como professora assistente no Instituto de Tecnologia da Califórnia (Cal Tech).

"É necessário o incrível talento de uma equipe de cientistas de todo o mundo e anos de trabalho duro para desenvolver o instrumento, o processamento de dados, os métodos de imagem e as técnicas de análise necessárias para realizar esse feito aparentemente impossível", explicou ela no Facebook.

"Foi realmente uma honra e eu tenho muita sorte de ter tido a oportunidade de trabalhar com todos vocês", concluiu.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала