Força especial da Venezuela é acusada de execuções extrajudiciais

© REUTERS / Miraflores PalaceSoldados venezuelanos participam de exercício militar em Puerto Cabello, Venezuela, 27 de janeiro de 2019
Soldados venezuelanos participam de exercício militar em Puerto Cabello, Venezuela, 27 de janeiro de 2019 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A violência perpetrada pelas forças de segurança do Estado da Venezuela vem contribuindo cada vez mais para a taxa de homicídios do país, uma das mais altas do mundo.

De 2010 a 2017, a proporção de homicídios cometidos pela polícia e pelos militares saltou de 4% para 27%, segundo Keymer Avila, professor de criminologia da Universidade Central da Venezuela. Ele estimou que este número subiu ainda mais no ano passado.

O governo do presidente Nicolás Maduro enviou tropas para os bairros pobres antes, dizendo que as chamadas Operações de Libertação do Povo visam eliminar criminosos. Grupos de direitos humanos e moradores disseram que as operações levaram a um aumento nas execuções extrajudiciais.

Grupos de direitos humanos dizem que a Força de Ação Especial da Polícia Nacional Bolivariana (FAES) tem sido uma preocupação especial desde que Maduro criou a unidade em 2017.

Contando cerca de 1.300 oficiais, a força matou mais de 100 pessoas em bairros de baixa renda nos últimos seis meses, e nenhuma investigação foi aberta, disse o grupo de direitos locais Provea em um relatório de 26 de janeiro.

Juan Guaidó, presidente de la Asamblea Nacional de Venezuela - Sputnik Brasil
Embaixador venezuelano no Iraque reconhece Guaidó como líder da Venezuela
Enquanto Maduro luta para manter o poder em face do endurecimento das sanções dos EUA e do apoio das potências ocidentais ao líder da oposição, Juan Guaidó, a FAES proclamou sua lealdade ao seu governo.

"Esses são momentos extremamente difíceis, momentos em que temos que mostrar quais de nós são leais e quais de nós são desleais", disse o comandante da FAES, Rafael Bastardo, em discurso divulgado na conta do Instagram da unidade.

O Procurador-geral da Venezuela, Tarek William Saab, prometeu na sexta-feira que o governo investigaria quaisquer funcionários que praticam execuções extrajudiciais e detenções arbitrárias. Ele disse que as autoridades prenderam vários policiais nos estados de Bolívar e Yaracuy por matarem manifestantes.

Nenhum oficial do FAES foi preso, ele disse.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала