Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Guaidó: 'Projetos chineses na Venezuela foram afetados pela corrupção do governo'

© REUTERS / Manaure QuinteroPresidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó
Presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó - Sputnik Brasil
Nos siga no
Os projetos chineses na Venezuela foram atingidos pela corrupção do Estado latino-americano, afirmou o líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, em entrevista exclusiva ao South China Morning Post.

Ele argumentou que o presidente venezuelano Nicolás Maduro está "cada vez mais isolado e age em grande parte sozinho" e que "a China testemunhou em primeira mão a pilhagem de nossos recursos estatais pelo governo de Maduro".

Presidente da China, Xi Jinping, recebe o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro - Sputnik Brasil
China se opõe a sanções contra a Venezuela e diz que os EUA vão agravar a situação
Os projetos de desenvolvimento da China na Venezuela "foram igualmente afetados e diminuíram devido a corrupção do governo e a inadimplência da dívida", afirmou Guaidó.

Ele também enfatizou sua prontidão em estabelecer um "relacionamento produtivo e mutuamente benéfico" com a China e quer envolver as autoridades chinesas em diálogo "o mais rápido possível".

"O apoio da China será muito importante para impulsionar a economia de nosso país e o desenvolvimento futuro", acrescentou Guaidó.

Suas declarações repercutiram o posicionamento do porta-voz da chancelaria chinesa, Geng Shuang. Em uma coletiva com jornalistas, Geng afirmou que os acordos de Pequim com Caracas não devem ser afetados "não importa como as circunstâncias mudem" e que a China mantém contato com "todos os lados" de maneiras diferentes.

Nicolás Maduro em China - Sputnik Brasil
Por que China aposta na aliança estratégica com Venezuela?
Em 23 de janeiro, Guaidó se declarou presidente interino do país, levando Nicolás Maduro a culpar os EUA por tentarem realizar um golpe na Venezuela. O Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, por sua vez, nega que Washington tenha planos para uma intervenção militar no país latino-americano.

Uruguai, México e Rússia, que reconhecem a legitimidade de Maduro como presidente eleito, planejam convocar uma conferência no dia 7 de fevereiro em Montevidéu para tentar elaborar um novo mecanismo de diálogo que favoreça o retorno do país à estabilidade.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала