Assim são os últimos suspiros de nebulosa planetária (FOTO)

© Foto / ESOTelescópio "Very Large Telescope" do Observatório Europeu do Sul
Telescópio Very Large Telescope do Observatório Europeu do Sul - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Observatório Europeu do Sul publicou uma bela foto captada pelo Telescópio Muito Grande (VLT) de uma nebulosa planetária.

O telescópio do Observatório Europeu do Sul captou o objeto astronômico composto de plasma e gás ionizado graças aos últimos momentos de vida das gigantes vermelhas.

© Foto / ESONebulosa planetária ESO 577-24
Nebulosa planetária ESO 577-24 - Sputnik Brasil
Nebulosa planetária ESO 577-24

Durante o registro foi possível notar uma imagem do brilho fraco da nebulosa planetária ESO 577-24 durante a sua morte.

A nebulosa desaparece lentamente conforme sua camada gasosa se expande e se torna mais fraca. Na foto é possível notar uma camada de gás incandescente se espalhando pelo espaço, sendo a própria ESO 577-24.

De acordo com o Observatório Europeu do Sul, uma nebulosa planetária é o que resta de uma estrela gigante morta depois de se desprender de suas camadas externas, deixando uma pequena e quente estrela anã. Já o remanescente esfria gradualmente e se extingue, tornando-se um "fantasma" de gigantes vermelhas.

Cinturão de Kuiper (ilustração artística) - Sputnik Brasil
Astrônomos: Planeta X pode ser um enxame gigante de cometas
Gigantes vermelhas são estrelas no fim da vida que esgotaram o combustível de hidrogênio em seus núcleos e iniciaram a se contrair sob o domínio da gravidade.

Sendo assim, quando uma gigante vermelha encolhe, a imensa pressão reacende o núcleo da estrela, jogando suas camadas externas no vazio. Além disso, o núcleo emite radiação ultravioleta suficientemente intensa para ionizar essas camadas ejetadas e fazê-las brilhar, resultando em uma nebulosa planetária.

A ESO 577-24 que viveu aproximadamente 10 mil anos, um piscar de olhos em termos astronômicos, foi descoberta pela National Geographic Society na década de 50, tendo sido registrada no catálogo Abell de Nebulosas Planetárias em 1966.

A imagem do ESO 577-24 foi gerada pelo Programa Cosmic Gems, uma iniciativa que produz imagens de objetos atrativos visualmente, interessantes ou intrigantes, utilizando os telescópios ESO com para educacionais e divulgação pública.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала