Arreaza: 'reconhecemos a importância do respeito da Rússia à soberania venezuelana'

© REUTERS / Ueslei MarcelinoJorge Arreaza, el canciller de Venezuela
Jorge Arreaza, el canciller de Venezuela - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, disse à Sputnik em uma entrevista exclusiva que o seu país está agradecido pelo apoio recebido da Rússia, da China e da comunidade internacional.

O chanceler venezuelano agradeceu, em particular, a diplomacia russa pelo seu esforço em denunciar as pressões que o país vem sofrendo nos últimos meses por parte dos EUA.

"A diplomacia russa em todos os níveis a começar pelo próprio presidente, o ministro das Relações Exteriores [Sergey] Lavrov, a representante do Ministério das Relações Exteriores [Maria Zakharova], agiu com muito vigor político e jurídico, denunciando durante semanas essa tentativa de golpe Estado dos EUA na Venezuela", afirmou o ministro à Sputnik Mundo.

"[A diplomacia russa] emitiu opiniões, denunciando cada ação, cada ingerência, cada interferência, cada intromissão dos EUA. E não apenas em solidariedade com a Venezuela e com o Presidente Maduro, mas em respeito ao direito internacional público, à soberania da Venezuela, à não interferência nos assuntos internos de outros países. Ou seja, em respeito à Carta das Nações Unidas e seus princípios mais elementares", acrescentou Arreaza. 

"Nós sempre reconhecemos a importância fundamental do respeito da Rússia pela soberania venezuelana e a cooperação abrangente que estabelecemos nos últimos anos", concluiu.

Jorge Arreaza, ministro das Relações Exteriores da Venezuela, em 12 de agosto de 2017 - Sputnik Brasil
Chanceler da Venezuela descarta guerra na América Latina (EXCLUSIVO)
Apesar dos EUA, Argentina, Brasil, Canadá, Chile e Colômbia, entre outros, terem reconhecido a autoproclamada presidência do líder da oposição, Juan Guaidó, a maioria da comunidade internacional continua apoiando Nicolás Maduro. Esse é o caso da Rússia, China, Turquia e do Irã. Mesmo a União Europeia, cujas autoridades se manifestaram a favor da oposição, oficialmente não seguiu os passos dos EUA. 

Arreaza disse que considerava isso algo natural, pois a Venezuela continua regida por leis e pela Constituição.

"Aconteceu um processo eleitoral transparente e livre. O que resultou foi um novo mandato popular para que o presidente Maduro leve adiante nos próximos seis anos o que lhe corresponde constitucionalmente. A maioria dos países, aqueles que não se deixaram levar ou que não cumpriram as ordens de Washington, reconhecem a Constituição venezuelana e, portanto, as suas autoridades legítimas", constatou o interlocutor da agência.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала