'Agressão': Síria promete resistir aos planos da Turquia em seu território

© REUTERS / Omar SanadikiSoldado russo caminhando com a bandeira síria em fundo, Homs, Síria
Soldado russo caminhando com a bandeira síria em fundo, Homs, Síria - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Síria vê o recente anúncio da Turquia de estabelecer uma zona de segurança em solo sírio como um possível plano para novas agressões contra a República Árabe e está determinado a se defender "por todos os meios disponíveis", disse uma fonte do Ministério de Relações Exteriores nesta terça-feira.

Durante o dia, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan anunciou que ele e seu colega norte-americano, Donald Trump, chegaram a um "entendimento de importância histórica" para estabelecer uma zona de segurança na Síria durante a conversa telefônica no dia anterior.

Soldados turcos estão em cima de tanque do exército turco de volta para a Turquia da cidade fronteiriça sírio-turca de Jarabulus em setembro na cidade fronteiriça turco-síria de Karkamis - Sputnik Brasil
Presidente turco anuncia 'entendimento histórico' com EUA sobre a Síria

Ancara disse que as Unidades de Proteção ao Povo dominadas pelos curdos (YPG) não participariam da criação de uma zona de segurança no norte da Síria, acrescentando que seria a Turquia que controlaria a zona.

"A Síria enfatiza que a tentativa de minar sua integridade territorial será uma clara agressão e ocupação, assim como proteção e apoio ao terrorismo internacional e ímpeto por sua expansão em nome da Turquia, algo que a Síria vem lutando há oito anos", afirmo a fonte ministerial síria.

A mesma fonte enfatizou que Damasco estaria protegendo seu território de qualquer agressão, incluindo a "ocupação turca", por todos os meios disponíveis.

As declarações de Erdogan, segundo a fonte, provam que a Turquia "protege os terroristas nas conversações em Astana e fala apenas a linguagem da ocupação e da agressão".

Soldado americano em um veículo blindado - Sputnik Brasil
Oposição síria: 'EUA provavelmente manterão presença em bases na Síria'

No início de dezembro, o presidente turco anunciou que Ancara estava pronta para lançar uma operação militar contra as milícias curdas — que considera serem grupos terroristas — na margem oriental do Eufrates, bem como no Manbij da Síria, localizado perto da fronteira turca, se os Estados Unidos não facilitaram a retirada da milícia da região.

Erdogan disse mais tarde que a operação havia sido adiada após sua conversa telefônica em 14 de dezembro com Trump, que mais tarde anunciou planos de retirar as tropas norte-americanas da Síria.

Em 19 de dezembro, Trump disse que decidiu retirar os 2.000 soldados dos EUA estacionados na Síria desde que o grupo terrorista do Daesh foi derrotado. No domingo passado, ele confirmou que a "retirada muito atrasada da Síria" havia começado.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала