General americano: EUA não têm como responder às armas hipersônicas russas e chinesas

© Sputnik / Ministério da Defesa da RússiaA velocidade máxima do míssil Avangard, dotado de um corpo de titânio resistente às altas temperaturas, supera 20 vezes a velocidade do som
A velocidade máxima do míssil Avangard, dotado de um corpo de titânio resistente às altas temperaturas, supera 20 vezes a velocidade do som - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Os sistemas hipersônicos desenvolvidos pela Rússia e China representam um perigo real para os EUA, escreve o major-general aposentado Howard Thompson em seu artigo publicado no The Hill.

Ele enfatiza que Washington precisa criar urgentemente um novo sistema de defesa antimíssil confiável contra essas armas.

Bombardeiro H-6K patrulha o mar do Sul da China - Sputnik Brasil
China testa sua versão de 'mãe de todas as bombas', diz imprensa (VÍDEO)
Segundo Thompson, a Rússia e a China estão na vanguarda do desenvolvimento de armas hipersônicas e, por isso, já têm uma ampla vantagem. Ele argumenta que Washington está muito atrás de Moscou e Pequim nessa área. O míssil hipersônico russo Avangard, cuja velocidade chegaria a Mach 27, passou por um teste bem-sucedido em dezembro e, segundo as autoridades, o sistema está em linha de produção e poderá entrar em serviço em breve.

Os chineses são ainda mais enérgicos em sua busca de armas hipersônicas. Segundo o Pentágono, no ano passado a China realizou mais testes nessa área do que os EUA nos últimos dez anos, tendo atingido a prontidão inicial de seus sistemas, observa o general.

"Por sua vez, os Estados Unidos atualmente não possuem essas capacidades. A dura realidade é que nossos atuais sistemas de defesa antimíssil, assim como nossa mentalidade operacional, são simplesmente incapazes de resistir a essa ameaça", elucida Thompson.

Caça russo Su-35S de geração 4++ - Sputnik Brasil
Su-30S e Ka-52: novas aeronaves de combate a serviço da aviação militar da Rússia
Em sua opinião, muitos no Congresso não entendem que o sistema hipersônico foi criado especificamente para aproveitar as brechas do sistema antimíssil norte-americano. Enquanto a rota dos mísseis balísticos é previsível, a deslocação do Avangard, dada a sua maior manobrabilidade, é impossível de prever. Como resultado, tais sistemas norte-americanos como Patriot e THAAD tornam-se ineficazes, explica o general.

Thompson ressalta que os alvos potenciais podem ser não apenas as instalações militares no território dos EUA, mas também seus grupos aeronavais em mar aberto. Ele acrescenta que é necessário criar do zero uma "família de sistemas" extremamente poderosa sem cometer nenhum erro, levando em consideração a gravidade da ameaça.

"A China e a Rússia nos convenceram de que depender de soluções temporárias e criar um sistema de defesa antimíssil da maneira que sempre fizemos – por etapas e/ou de forma isolada – não é mais aceitável", conclui Thompson.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала