Violência: membros das FARC seguem morrendo na Colômbia após acordo, diz ONU

Nos siga noTelegram
Desde que a Colômbia assinou um acordo de paz com os rebeldes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) há dois anos, 85 membros do antigo movimento guerrilheiro foram assassinados, informou a ONU nesta segunda-feira.

Entre 26 de setembro e 26 de dezembro deste ano, "14 ex-membros das FARC foram assassinados", disse o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, em seu relatório trimestral sobre a missão do órgão global à Colômbia.

Fronteira entre Equador e Colômbia - Sputnik Brasil
Equador investiga tráfico de armas envolvendo as FARC

Segundo a unidade de investigação especial colombiana, citada pela ONU, os responsáveis pelos assassinatos "são grupos armados ilegais e organizações criminosas".

A maioria desses casos tem sido associada ao grupo de tráfico de drogas Clã do Golfo, que emergiu de paramilitares de direita desarmados em 2006, bem como dissidentes das FARC, o grupo guerrilheiro do Exército de Libertação Nacional (ELN), e remanescentes dos agora debandados rebeldes marxistas do Exército Popular de Libertação (EPL).

Guterres 'extremamente preocupado'

A ONU convocou o presidente colombiano Iván Duque, um crítico do acordo de paz assinado por seu antecessor, Juan Manuel Santos, para "reforçar os planos e estratégias de segurança para ex-combatentes".

No relatório, Guterres disse estar "extremamente" preocupado com o número de assassinatos de líderes sociais e defensores dos direitos humanos, dizendo que a ONU verificou 163 dos 454 casos registrados desde que o acordo de paz foi assinado.

"A maioria dos assassinatos ocorreu em zonas abandonadas por ex-FARC (combatentes) e onde a presença do Estado é limitada", informou o relatório da ONU.

Las armas de las FARC (archivo) - Sputnik Brasil
Líder de dissidência das FARC é morto em combate com militares na Colômbia

O ombudsman de direitos humanos da Colômbia estima que 423 ativistas foram assassinados entre 2016 e o final de novembro.

Transformada em um partido político desde o acordo de paz, as FARC criticaram repetidamente a falta de garantias de segurança para seus membros.

Enquanto cerca de 7.000 ex-combatentes depuseram suas armas, a comissão de paz e reconciliação da Colômbia estima que restam 1.600 rebeldes dissidentes.

A Colômbia foi dilacerada por mais de meio século de conflito armado envolvendo guerrilheiros, traficantes de drogas, paramilitares e forças do Estado, deixando 8 milhões de pessoas mortas, desaparecidas ou deslocadas.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала