Conheça a 'rainha' que lidera a caça a jihadistas do Boko Haram na Nigéria

© AP Photo / AP Photo/Boko Haram,FileMiltantes do Boko Haram
Miltantes do Boko Haram - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Eles costumavam caçar animais com lanças e gravetos, mas agora, empunhando fuzis antigos e liderados por uma destemida "rainha" guerreira, um esquadrão nigeriano de vigilantes está atrás do Boko Haram, um dos grupos jihadistas mais violentos da África.

O termo Boko Haram traduz aproximadamente como "Contra a Educação Ocidental". Seus militantes implacáveis têm atormentado a África Subsaariana há décadas.

Soldados nigerianos exibem bandeira do Boko Haram apreendida na retomada da cidade de Damasak, em 18 de março de 2015 - Sputnik Brasil
Confronto com o Boko Haram mata ao menos 30 soldados nigerianos

Os islamitas não conhecem piedade, pois seus ataques causam estragos nas cidades e aldeias rurais nigerianas. Quando eles não estão lançando bombas, eles atacam a área em busca de reféns. Enquanto faz isso, o Boko Haram geralmente tem como alvo mulheres e meninas.

Em 2014, o grupo sequestrou 276 alunas de uma escola em Chibok. A maioria delas ainda não foi resgatada e incidentes semelhantes continuam ocorrendo.

Em regiões remotas, cabe aos cidadãos comuns ajudar o exército a combater os terroristas. E assim nasceu a Força-Tarefa Conjunta Civil. Esses esquadrões de vigilantes frouxamente filiados patrulham os estados nordestinos de Borno e Adawama, onde o Boko Haram é mais ativo.

Os esquadrões são compostos por caçadores experientes. Mas em vez de empunhar lanças e paus, como faziam no passado, agora andam pelo mato à procura de militantes.

Um desses grupos é liderado por Aisha Bakari Gombi.

"Eu não me lembro exatamente quantos anos eu tinha quando entrei. Eu ainda era muito pequena", afirma ela. "Os adultos costumavam me carregar nos ombros durante as caçadas".

No começo, Aisha apenas usava um arco e flecha. Mais tarde, ela recebeu um rifle turco "antigo". Depois que o comandante anterior foi morto, ela foi nomeada "rainha guerreira" de Adamawa. Sua equipe é diversificada, variando de homens idosos a adolescentes que recentemente se matricularam no ensino médio.

"Estamos apoiando os esforços de nosso governo para restaurar a paz em nosso país", observa a "rainha". "Estamos tremendo, estamos com medo, mas estamos caçando Boko Haram", acrescentou.

Soldados nigerianos inspecionam palácio usado pelo Boko Haram como quartel-general em Bama - Sputnik Brasil
Pesquisa: maior parte de terroristas suicidas do Boko Haram é de mulheres e crianças

Os caçadores são principalmente armados com rifles caseiros, alguns com pederneiras. Eles usam roupas pretas e confiam em amuletos e pintura de guerra em vez de armaduras corporais. Eles não têm material médico para tratar os feridos, e o único transporte disponível é através de tuk-tuks, ou motor-riquixás. A única vantagem dos caçadores é que eles conhecem bem a área e podem rastrear terroristas em seus esconderijos.

"Há uma operação que nunca esquecerei", descreve o caçador Abubakar Hamma Adama numa expedição contra os jihadistas em uma das aldeias remotas da Nigéria.

"Eventualmente, nós encontramos o acampamento deles e abrimos fogo, mas eles continuaram chegando e vindo e vindo. Isso foi um inferno de uma batalha. Nós sofremos pesadas perdas", completou.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала