Em que consiste o revés dos EUA na arena internacional? Especialista explica

© REUTERS / Jonathan ErnstPresidente dos EUA, Donald Trump, é recebido pelo rei da Arábia Saudita, Salman bin Abdulaziz Al Saud, em Riad, na Arábia Saudita
Presidente dos EUA, Donald Trump, é recebido pelo rei da Arábia Saudita, Salman bin Abdulaziz Al Saud, em Riad, na Arábia Saudita - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A política de padrões duplos conduzida por Washington, que se manifesta na diferente atitude em relação à Rússia, Irã e Síria, por um lado, e à Arábia Saudita, por outro, resultou em mais um revés para os EUA na arena internacional, destaca um especialista francês em ciência geopolítica.

De acordo com as palavras do cientista político Alexandre Del Valle, citadas pela edição Atlantico.fr, os Estados Unidos têm vindo a introduzir cada vez mais sanções contra a Rússia e Síria, e tentam restabelecer as antigas restrições contra o Irã. Ao mesmo tempo, eles não prestam quase nenhuma atenção às atrocidades cometidas pela Arábia Saudita no Iêmen.

Ademais, nem mesmo as provas de participação de Riade dos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001 nos EUA perturbaram as relações bilaterais.

Presidente dos EUA, Donald Trump, reúne-se com presidente russo, Vladimir Putin, no palácio presidencial em Helsinque, 16 de julho de 2018 - Sputnik Brasil
Mídia: Trump acusa Arábia Saudita de não saber usar armas americanas no Iêmen
Vale destacar que, do ponto de vista oficial norte-americano, a situação é completamente diferente na Ucrânia, pois nesse caso toda a culpa é da Rússia.

E o mesmo acontece na Síria, onde os EUA atribuem toda a culpa da existência de vítimas às tropas governamentais do presidente sírio Bashar Assad, esquecendo, no entanto, que a maior parte das mortes tem sido obra dos jihadistas, aponta o especialista.

Entretanto, os EUA não impuseram nenhumas sanções contra a Arábia Saudita por causa do assassinato do jornalista Jamal Khashoggi.

"Só a duplicidade de critérios morais pode explicar a condescendência que o Ocidente mostra pelos seus 'aliados' sauditas", enfatiza.

Outro exemplo é a guerra e a catástrofe humanitária no Iêmen, pelas quais Riad é diretamente responsável e que já resultaram em um número enorme de vítimas.

CIA Director Mike Pompeo speaks at a Senate Select Committee on Intelligence hearing on worldwide threats, Tuesday, Feb. 13, 2018, in Washington. - Sputnik Brasil
EUA ainda vão levar várias semanas para decidir sobre sanções contra Arábia Saudita
Segundo escreve o especialista, a coalizão saudita atacou, sem distinção, numerosas infraestruturas civis, inclusive hospitais, escolas, instituições culturais e religiosas. Isso contradiz totalmente as principais regras da guerra, algo de que Washington culpa frequentemente as autoridades sírias, adiciona o especialista político. Além disso, os EUA fecham os olhos às ações da Arábia Saudita, mas, ao mesmo tempo, não se esquecem de apelar à Rússia e à Síria para não bombardearam os rebeldes na província síria de Idlib, para alegadamente evitar uma catástrofe humanitária.

Apesar de que, após o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, muitos países ocidentais começaram a exigir que a Arábia Saudita parasse de lançar bombas contra o Iêmen, isso não levou a sanções e, ademais, não teve qualquer influência sobre as autoridades de Riad.

Como resultado, a Arábia Saudita continua apoiando os grupos terroristas, o Irã fortaleceu suas posições no Oriente Médio e os EUA sofreram mais um ‘fiasco' político, resume Alexandre Del Valle.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала