Rússia terá base permanente na Lua, revela chefe da Roscosmos

Nos siga noTelegram
Os planos da Rússia para a exploração da Lua serão atualizados dentro de 2 semanas, mas Moscou ainda quer ter uma base permanente em sua superfície, disse o chefe da agência espacial russa Roscosmos, Dmitry Rogozin.

Rogozin, que foi nomeado chefe espacial da Rússia em maio, anunciou as mudanças lunares em uma entrevista à Sputnik, enquanto esboçava seus planos para uma grande reformulação da indústria espacial.

Sistema Solar - Sputnik Brasil
NASA encontra evidências de possível lua fora do Sistema Solar

"Esperamos que as sugestões da Academia de Ciências e do Conselho de Ciência e Tecnologia de Roscosmos venham em breve. Dentro de duas semanas, espera-se que eles apresentem sua visão para explorar Moon", declarou.

Ele não ofereceu mais detalhes sobre como o programa pode mudar, mas disse que os planos para uma base de superfície permaneceriam nele.

O atual plano lunar da Rússia é desenvolver um novo veículo de lançamento de superlevantamentos durante a próxima década e usá-lo para criar uma base permanente na superfície em algum momento da década de 2030.

A Roscosmos também está colaborando com outras agências espaciais no Lunar Orbital Platform-Gateway, um projeto para construir uma estação espacial tripulada orbitando a Lua, que serviria como um ponto de retransmissão para missões no satélite e além, onde as espaçonaves poderiam reabastecer conforme necessário.

Jeff Bezos, CEO da Amazon. - Sputnik Brasil
Empresa espacial de Bezos quer pousar na Lua

O plano é que a Rússia forneça vários módulos para a estação, mas em setembro Rogozin questionou a colaboração, quando ele se queixou de que os EUA queriam que a Rússia "desempenhasse o segundo violino" no projeto.

Na entrevista, Rogozin explicou seus planos de integrar vários produtores russos da indústria espacial em 3 grandes empresas, que seriam responsáveis por motores de foguetes, casco de foguetes e instrumentação.

Ele também prometeu dobrar o número de lançamentos espaciais no ano que vem, em comparação com 2018, e apresentou um relatório de progresso sobre projetos de foguetes, incluindo o foguete Soyuz-5 e a família de foguetes Angara.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала