Por que 'Forte Trump' na Polônia seria ideia ruim para Estados Unidos e Europa?

© AP Photo / Czarek SokolowskiCerimônia oficial de boas-vindas às tropas dos EUA em Zagan, Polônia, em 12 de janeiro de 2017
Cerimônia oficial de boas-vindas às tropas dos EUA em Zagan, Polônia, em 12 de janeiro de 2017 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Instalações militares dos EUA, tão desejadas pela Polônia, estão fazendo com que o país europeu gaste 2% do seu PIB, além de devastar uma região florestal de 38,18 hectares em terras polonesas.

Poloneses já gastaram alguns bilhões de dólares para construir bases norte-americanas permanentes a fim de proteger o país da "ameaça russa". A oferta proposta pelo líder polonês foi tão alta que surpreendeu até mesmo o presidente norte-americano, que declarou que "um termo como esse você não escuta frequentemente", referindo-se à chance de proteger militarmente ambos os países e ainda de receber US$ 2 bilhões (R$ 7 bilhões) por isso.

Mariusz Blaszczak, ministro do Interior da Polônia na época, fala com agentes da guarda de fronteira polonesa no centro de trânsito de refugiados perto da cidade macedônia de Gevgelija, em 24 de maio de 2016 - Sputnik Brasil
Polônia trabalha para aumentar número de militares na fronteira russa, afirma ministro
Entretanto, manter tropas em territórios alheios gera um alto custo por se tratar de uma operação em bases onde há diferentes culturas e economias, além de fatores como a criação de academias, intercâmbios, escolas, enfermarias, cinemas, transporte de equipamentos militares, entre outras coisas.

Surge então um problema, tudo isso seria pago pelo país que solicitou a criação de base norte-americana. Porém, sabe-se que a Polônia não é um dos aliados mais ricos dos EUA, e o dinheiro oferecido pelo país seria inferior aos gastos que os EUA teriam de pagar no território polonês.

Compromissos e instalações no exterior poderiam ter algum sentido nos tempos da Guerra Fria, entretanto, "Forte Trump" se trata de uma base militar inútil, principalmente pelo fato de que a Polônia, assim como a Europa, não defende os EUA. Na verdade, a OTAN defende a Europa, segundo o artigo publicado pela revista The National Interest.

Washington estaria apenas gastando dinheiro dos contribuintes ao deslocar forças pela Polônia e por todo o Leste Europeu, justificando suas ações através de suposta invasão da Rússia, na qual não há qualquer expectativa de que seja uma realidade.

Além disso, mesmo que isso acontecesse e que os norte-americanos saíssem vencedores, eles não ganhariam quase nada com isso, pois outros países-membros da OTAN — diante das obrigações como aliados — defenderiam a Polônia.

Ou seja, os membros europeus que integram a OTAN teriam condições suficientes para defender não apenas os poloneses como a própria Europa, já que conta com uma grande estrutura, economia similar ao dos EUA e uma população maior, tendo excelentes recursos para eventuais conflitos, não precisando das forças norte-americanas.

Soldados americanos trabalhando na construção da nova base na Polônia - Sputnik Brasil
Expansão de base dos EUA causará sérios danos à preciosa fauna na Polônia
Porém, a "invasão russa" aparentemente não passa de um pretexto para arrecadar mais e mais dinheiro dos contribuintes, já que o Pentágono já desembolsou em torno de U$ 140 milhões (R$ 530 milhões) para a construção de instalações na Polônia, enquanto que a Polônia também está desembolsando um alto valor para manter uma força absolutamente inútil.

O mais sensato seria Washington recusar a proposta do "Forte Trump" e buscar um compromisso de paz com Moscou, o que reduziria consideravelmente seus gastos, além de seguir a política estrangeira de Donald Trump, que é a política de "América primeiro", ou seja, deveria cuidar de sua nação e estabilizar a economia norte-americana que apresenta um déficit de quase US$ 1 trilhão (R$ 3,7 trilhões).

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала