Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Pequim e Washington continuam em guerra comercial, mas é Moscou quem pode ganhar

© Sputnik / Igor Onuchin / Abrir o banco de imagensCampo de soja na região de Khabarovsk
Campo de soja na região de Khabarovsk - Sputnik Brasil
Nos siga no
A guerra comercial entre os Estados Unidos e a China representa uma excelente oportunidade para que a Rússia se torne novo fornecedor de soja para o mercado chinês, afirma o secretário-geral da Associação Chinesa para o Desenvolvimento de Empresas no Exterior (CODA, na sigla em inglês), economista He Zhenwei.

Segundo disse à Sputnik no âmbito do Fórum Econômico Oriental, a soja russa é de muito boa qualidade. Porém, em termos de fornecimentos, a Rússia ainda tem uma participação baixa no mercado chinês.
O gigante asiático é o maior consumidor de soja no mundo. Pequim a utiliza como matéria-prima para produzir diversos produtos alimentares, como óleo e outros, enquanto a soja de menor qualidade serve para alimentar o gado. A China importa dos EUA mais de 30 milhões de toneladas de soja, quase dois terços da produção total anual norte-americana.

A residência oficial do presidente norte-americano, Casa Branca, Washington - Sputnik Brasil
EUA incluem empresas da Rússia e da China em novas sanções contra Coreia do Norte
No entanto, recentemente Pequim teve que introduzir sanções contra os produtos de soja estadunidenses em resposta às tarifas introduzidas por Washington contra os produtos chineses.

A soja é cultivada nos estados de Iowa, Nebraska e Kentucky, que votaram em Trump, por isso Pequim acredita que a imposição de tarifas sobre a soja deverá pressionar Donald Trump tanto econômica como politicamente.

Por outro lado, a medida obriga a China a diversificar seus fornecedores de soja. Como nenhum país é capaz de substituir o volume fornecido pelos EUA, a China compra uma parte ao Brasil e outra à Argentina. A Rússia também pode entrar na lista de fornecedores principais.

"Está claro que, no futuro, a China não vai importar soja dos EUA nos mesmos volumes, isso significa que é preciso importar de outros países. É uma excelente chance para a Rússia", disse Zhenwei.

Plantação de soja - Sputnik Brasil
Brasil se encontrará 'entre dois fogos' na guerra comercial sino-americana? 
De acordo com o economista, a maior vantagem da soja russa é que não é geneticamente modificada.

"No momento, a China importa anualmente da Rússia cerca de 500 mil toneladas de soja. Se a Rússia aumentar o cultivo, será uma boa chance para atrair investidores chineses. Além disso, os alimentos russos e produtos agrícolas suscitam bastante confiança, pois nunca são falsificados"', sublinhou o especialista.

Zhenwei ressaltou que as tarifas e sanções dos EUA contra a Rússia e a China obrigam os dois países a aprofundarem a cooperação econômica e comercial. Paralelamente, a Rússia está deixando de ser fornecedor apenas de matérias-primas para China, começando a exportar produtos processados.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала