Partido Francês: É pouco provável que Macron busque parceria com Rússia e Turquia

© AFP 2022 / CHARLES PLATIAU / POOLO presidente francês Emmanuel Macron participa de uma cerimônia na prefeitura de Paris após sua posse formal como presidente francês (arquivo)
O presidente francês Emmanuel Macron participa de uma cerimônia na prefeitura de Paris após sua posse formal como presidente francês (arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Embora o presidente francês, Emmanuel Macron, tenha expressado a necessidade de tomar medidas práticas para estabelecer uma parceria estratégica com a Rússia e a Turquia, é improvável que o faça, avalia Damien Lempereur, porta-voz do partido Levantar a França "Debout La France", à Sputnik.

"Nessa questão em particular hoje, poderíamos pensar que o discurso foi feito foi bom no que diz respeito à Rússia e à Turquia, mas, novamente, o problema é que ele não vai seguir com o que diz… Eu acho que os países europeus já sabem que o presidente Macron diz algo, mas não cumpre no que diz respeito às relações exteriores", disse Lempereur.

Ex-ministro da Economia e candidato independente à presidência francesa, Emmanuel Macron - Sputnik Brasil
Vitória de Macron: mais sanções contra Rússia, 'mais expansão da OTAN'
Lempereur afirmou que qualquer futura parceria estratégica com a Rússia que a França considere deveria começar com a remoção das sanções da UE à Rússia.

"Uma parceria estratégica deve ser feita principalmente em questões econômicas e de segurança, mas para a Rússia, o primeiro passo para [uma parceria estratégica] deve ser remover as sanções", disse Lempereur.

No início do dia, Macron disse durante a conferência anual de embaixadores em Paris que era necessário que a França construísse uma parceria estratégica com a Rússia e a Turquia, já que ambas as nações eram importantes para a segurança coletiva e precisavam estar ligadas à Europa. O presidente destacou que a Europa deveria lançar um novo diálogo sobre segurança cibernética, armas químicas e outras áreas de segurança.

Macron expressou anteriormente seu desejo de trabalhar em iniciativas conjuntas com a Rússia durante sua primeira visita de Estado ao país em maio, onde uma série de acordos sobre energia nuclear, desenvolvimento e financiamento do Ártico foram anunciados.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала