Mais antigo cemitério monumental da África Oriental é descoberto no Quênia (FOTOS)

Nos siga noTelegram
A antiga construção de 5.000 anos muda completamente todos os conhecimentos sobre estratificação social da época.

Pesquisadores descobriram o maior e mais antigo cemitério monumental da África Oriental na região do lago Turkana, no Quênia. Ele teria sido construído há uns 5 mil anos pelos primeiros pastores da região.

​Cemitério no Quênia esconde enigmas dos ricos antigos

Fundação das paredes de edifícios antigos aparece à margem do rio Edwards em Waldeck (Alemanha), devido ao baixo nível de água por causa de um período de seca, em 16 de agosto de 2018 - Sputnik Brasil
Seca severa expõe destroços da 'Atlântida' alemã (FOTO)
O estudo conduzido por Elisabeth Hildebrand, da Universidade Estadual de Nova York, EUA, explica que os primeiros pastores construíram uma plataforma de 30 metros de diâmetro e escavaram uma grande cavidade no centro para enterrar seus mortos. Depois de cobrir o buraco com pedras, o marcaram com grandes pilares megalíticos e blocos de pedra.

O local foi chamado de Lothagam North Pillar Site, comunica o portal Phys.org.

​Pendentes de pedra e brincos encontrados no cemitério de 5.000 anos de idade Lothagam North Pillar Site no Quênia — uma plataforma de 30 metros de diâmetro com uma grande cavidade no centro contendo ao menos 580 cadáveres.

Este local de sepultamento comum foi usado ao longo de sete séculos, e sua cavidade central contém restos mortais de pelo menos 580 pessoas, todas enterradas da mesma maneira. Isso permite sugerir que aquela sociedade não teve uma forte estratificação social.

Tubarão-elefante no mar - Sputnik Brasil
Cientistas revelam segredo de um misterioso tubarão enorme (FOTOS)
A descoberta é importante porque muda nossos conhecimentos sobre a construção de estruturas monumentais por sociedades antigas. O grupo que construiu o cemitério era igualitário, sendo essa construção anteriormente associada a sociedades hierárquicas, com classes sociais diferenciadas.

"Esta descoberta desafia ideias anteriores sobre monumentalidade", afirmou Elisabeth Hildebrand.

Segundo Anneke Janzen, do Instituto Max Planck para a Ciência da História Humana, "os monumentos poderiam ter servido como um local para congregar-se, renovar laços sociais e reforçar a identidade da comunidade".

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала